Petrobras recebia políticos; Estatal deve assumir perda de R$ 14 bi; CGU adiou investigação durante eleição. Nos jornais de terça (14)

14/04/2015 07h36m. Atualizado em 16/04/2015 11h57m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

O Globo traz na manchete desta terça, 14 de abril, o resultado de uma apuração feita com base na Lei de Acesso à Informação sobre a ida de políticos investigados pela Lava-Jato para conversas na Petrobras, principalmente com Paulo Roberto Costa. Foram 202 visitas de 26 suspeitos entre 2004 a 2014. “Políticos Investigados faziam romaria à Petrobras”, diz o jornal.

Já a Folha de S. Paulo informa na manchete que a Controladoria Geral da União recebeu provas sobre corrupção da Petrobras em agosto do ano passado, mas só abriu processo após o segundo turno para não causar constrangimento à campanha da presidente Dilma. Quem informa é o delator na Holanda, da SBM, Jonathan Taylor. “CGU esperou eleição de Dilma, para abrir processo, diz delator” é o título maior da primeira página.

O Valor Econômico traz também informações sobre a estatal na manchete. “Ajuste mínimo no balanço da Petrobras deve ser de R$ 14 bilhões”. O jornal informa que, no balanço que começará a ser avaliado no dia 22, de R$ 4 bilhões a R$ 8 bilhões das perdas serão considerados como efeito da corrupção. Mas haverá também perdas assumidas como de ativo não recuperável. Mesmo assim, a empresa não vai assumir todas as perdas não recuperáveis com a Abreu e Lima e Comperj. As ações da empresa subiram fortemente neste mês de abril com a perspectiva da divulgação do balanço.

Outro destaque dos jornais é o ajuste fiscal. Esta é a manchete do Estado de S.Paulo: “Planalto amplia concessões e admite negociar ajuste fiscal”. “Orçamento deve sofrer corte de R$ 70 bi” diz o Globo, que ao mesmo tempo dá a notícia da declaração do ministro da Previdência, Carlos Gaba, de que o governo está disposto a negociar as medidas do ajuste fiscal. O Estadão fala em cortes de R$ 80 bilhões. O governo já iniciou uma campanha em favor dos cortes com a divulgação de uma cartilha chamada “Ajustar para avançar”. O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, está nas primeiras páginas com o chapéu de palha da Embrapa junto da ministra Kátia Abreu.

Outros destaques dos jornais: a presidente Dilma criticou a redução da maioria penal; A CGU descobriu fraudes em fundos de pensão do governo como a de pagamento de auxílio creche para servidores sem filho; Datafolha diz que a crise do governo Dilma desgastou a imagem de Lula; As mortes dos escritores Günter Grass, da Alemanha, e de Eduardo Galeano, do Uruguai, autor de “As veias abertas da América Latina”, estão nas primeiras páginas.

Matheus Leitão

Matheus Leitão é jornalista há 15 anos. Em sua carreira, passou pelas redações do Correio Braziliense, revista Época, portal iG e Folha de S.Paulo. Matheus recebeu o Prêmio Esso por duas vezes, o Troféu Barbosa Lima Sobrinho -- além de menção honrosa no Vladimir Herzog. Entre 2011 e 2012, esteve na Universidade de Berkeley, na California, como Visiting Scholar.

    Comente

    O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.