O Iceberg à frente do governo Dilma

31/03/2015 10h36m. Atualizado em 01/04/2015 00h13m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

Melhorou um pouco a governabilidade da presidente Dilma Rousseff nos últimos dias. Não por ela ter contornado a crise imposta pela declaração do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, com razoável facilidade.

Mas porque avança a tentativa de acordo entre Levy e o presidente do Senado, Renan Calheiros. Entre o PMDB e o governo. Há fortes indícios de uma solução para o impasse da negociação das dívidas dos Estados e Municípios. Tudo indica que não será votado nesta terça-feira o projeto de lei que dá 30 dias para o governo federal regulamentar a troca dos indicadores das dívidas dos Estados e Municípios.

O acordo só avançou porque o governo recuou. Levy foi informado de que não havia como desfazer o que fora feita no ano passado. Agora ele propõe o adiamento da entrada em vigor da medida por um ano, com ressarcimento dos Estados.

Neste quadro de melhoria da crise de relacionamento entre o governo e o PMDB destoou a entrevista do senador Romero Jucá, de página inteira, no jornal Valor Econômico. Jucá disse que o governo Dilma é “o Titanic em marcha acelerada em direção ao iceberg”.

Jucá, que participou ativamente nesta segunda-feira (30) do avanço nas negociações com Levy, diz que se não houver mudança de rota o choque será inevitável. Não explicou se o iceberg é a crise econômica.

A declaração de Renan de que a independência do Banco Central pode ser proposta pelo PMDB é a mudança de rota necessária do Titanic, ou a sugestão de uma guinada realmente conservadora na política econômica, na visão do PMDB. É a` imposição de uma realidade que a presidente Dilma ainda resiste a ver.

O PMDB, porém, dá mostra de que já viu o iceberg.

Matheus Leitão

Matheus Leitão é jornalista há 15 anos. Em sua carreira, passou pelas redações do Correio Braziliense, revista Época, portal iG e Folha de S.Paulo. Matheus recebeu o Prêmio Esso por duas vezes, o Troféu Barbosa Lima Sobrinho -- além de menção honrosa no Vladimir Herzog. Entre 2011 e 2012, esteve na Universidade de Berkeley, na California, como Visiting Scholar.

    Comente

    O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.