Aumenta a briga PMDB x Dilma; Supremo manda Estados e Cidades pagarem dívidas em 5 anos. Destaques dos jornais de quinta (26)

26/03/2015 07h29m. Atualizado em 27/03/2015 09h20m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

A crise política dentro da coalizão da presidente Dilma e problemas fiscais dos Estados estão nas manchetes dos jornais desta quinta-feira, 26 de março. No Globo, a manchete é para a criação do PL pelo ministro das cidades, Gilberto Kassab. O PMDB acha que é uma manobra do governo para esvaziar o partido.

Kassab, que criou o PSD tirando parlamentares da oposição, entrou com o pedido de criação do PL um dia antes de a presidente regulamentar a lei mais restritiva para a criação de partidos. O PMDB acusa a presidente de manobra. “Novo partido agrava crise entre PMDB e Dilma”, diz a manchete do Globo que trata do assunto.

O Estado de S. Paulo trata na manchete de um novo problema que atinge as finanças dos Estados e municípios. O Supremo Tribunal Federal determinou que as dívidas em precatórios — decisões judiciais impostas por processos de cidadãos e empresas contra o poder público — dos Estados e cidades sejam pagas em cinco anos. O total chega a R$ 90 bilhões. “Estados e municípios têm de pagar precatórios em 5 anos”, informa o jornal. Os devedores queriam o triplo do prazo. Esta é também a manchete da Folha de S. Paulo. “Supremo manda municípios e Estados quitarem precatórios”.

Os jornais informam também que o governo conseguiu convencer o senador Renan Calheiros a adiar para a semana que vem a votação da mudança do indexador das dívidas dos Estados e municípios. Mas o Valor publica que presidente do Senado fez críticas ao ministro Joaquim Levy e o chamou de “fundamentalista”. O Globo, em texto na primeira página, registra que o governo deu mais um papel ao ministro da Fazenda: “Levy, o articulador”.

A Folha traz uma entrevista com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso em que ele diz: “A presidente se tornou refém do ministro Joaquim Levy”. Nela, FHC diz que Dilma pode até demitir Levy, “mas o que acontece depois?”.

A Folha também publica analise do Datafolha sustentando que “Popularidade de Dilma dependerá do impacto do ajuste econômico”. Informa ainda que de cada quatro eleitores de Dilma, três estão apreensivos ou frustrados.

Outros destaques: o ministro da comunicação Thomas Trauman deixou o cargo nesta quarta (25) por causa do documento vazado no qual se pedia uma “guerrilha política” contra supostos adversários políticos no “caos” deste governo. Agora o PT quer controlar a comunicação e a verba de R$ 200 milhões defendendo que veículos identificados com o partido recebam mais recursos federais; Os jornais informam também outros detalhes da queda do avião da Germanwings na França que matou 150 pessoas: o piloto estava preso do lado de fora da cabine; A Arábia saudita atacou o Iêmem com o apoio logístico e de inteligência da operação. Os sauditas querem deter a milícia xiita.

O Valor Econômico dá em manchete a notícia de que a empresa de Jorge Paulo Lehman e do Warren Buffet, Heinz, comprou a Kraft Foods. Isso eleva a US$ 260 bilhões o valor de mercado das empresas sob controle de Lehman e seus dois sócios brasileiros Marcel Telles e Beto Sicupira. “’Império Lehmann’ já vale US$ 260 bilhões”. Eles são donos das Lojas Americanas, da Ambev, e Burger King.

Matheus Leitão

Matheus Leitão é jornalista há 15 anos. Em sua carreira, passou pelas redações do Correio Braziliense, revista Época, portal iG e Folha de S.Paulo. Matheus recebeu o Prêmio Esso por duas vezes, o Troféu Barbosa Lima Sobrinho -- além de menção honrosa no Vladimir Herzog. Entre 2011 e 2012, esteve na Universidade de Berkeley, na California, como Visiting Scholar.

    Comente

    O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.