Barusco admite US$ 300 mil para campanha de 2010; Dilma vaiada; Governo cede em tabela de IR. Nos jornais de quarta (11)

11/03/2015 07h24m. Atualizado em 11/03/2015 08h52m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

O depoimento do ex-gerente executivo da Diretoria de Serviços da Petrobras, Pedro Barusco, abrindo os trabalhos da nova CPI da Petrobras é a manchete do Estado de S. Paulo desta quarta 11 de março. “Barusco diz que campanha de Dilma recebeu US$ 300 mil”. O dinheiro foi entregue a João Vaccari Neto, segundo o depoente, que é tesoureiro do PT.

Barusco relatou em detalhes como era recolhida e distribuída a propina. Disse que ele, Renato Duque, ex-diretor de Serviços, e Vaccari eram protagonistas. O PT nega. O assunto está com fotos e destaque nas primeiras páginas dos jornais. “Na CPI, Barusco expõe divisão de propina com PT”, diz O Globo no segundo título. Barusco frisou que, quando recebia propina na época do governo Fernando Henrique, era a título pessoal e que a corrupção passou a ser institucionalizada no governo Lula, em 2003-2004. Já ministro Dias Toffoli presidirá a segunda turma do Supremo Tribunal Federal que vai julgar a maior parte da Lava Jato.

O título principal do Globo é: “Governo cede, negocia com PMDB e faz acordo sobre IR”. O ministro Joaquim Levy fez reuniões com o presidente do Senado, Renan Calheiros, e negociou uma fórmula de reajuste escalonado da tabela do Imposto de Renda. Para as rendas menores valerá os 6,5% de reajuste, para os de maior renda, o de 4,5%. Esta também foi a manchete da Folha de S.Paulo: “Governo recua e amplia faixa de isenção do IR”.

Outro destaque dos jornais, com textos e fotos, foram as vaias recebidas pela presidente Dilma em São Paulo ao chegar no Salão Internacional da Construção Civil. Ela foi recebida com gritos de “Fora Dilma”e “Fora PT” de expositores e funcionários da feira. Jornais informam também que imagens da campanha presidencial do PSDB ilustram a divulgação do ato anti-Dilma. PSDB nega ter cedido material.

Outro destaque das primeiras páginas: Murilo Ferreira, da Vale, deve presidir o Conselho de Administração da Petrobras. A empresa montou uma força tarefa para concluir o balanço até 31 de maio incluindo as perdas com corrupção.

O Valor traz como manchete a informação de que “Fuga da poupança ameaça financiamento de imóveis”. O jornal informa que a alta do dólar reduziu a 4% a vantagem da Petrobras na gasolina. A Petrobras está aproveitando a queda do preço internacional para recompor seu caixa depois de anos de subsídio à gasolina em que pagou mais pelo produto importado do que o governo deixou cobrar das distribuidoras.

Matheus Leitão

Matheus Leitão é jornalista há 15 anos. Em sua carreira, passou pelas redações do Correio Braziliense, revista Época, portal iG e Folha de S.Paulo. Matheus recebeu o Prêmio Esso por duas vezes, o Troféu Barbosa Lima Sobrinho -- além de menção honrosa no Vladimir Herzog. Entre 2011 e 2012, esteve na Universidade de Berkeley, na California, como Visiting Scholar.

    Comente

    O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.