Papa Francisco diz que Vaticano sofre de Alzheimer espiritual, esquizofrenia existencial e fofoca

22/12/2014 17h54m. Atualizado em 23/12/2014 17h27m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

Nesta segunda-feira (22), em audiência com a Cúria Romana, o Papa Francisco fez duras críticas à administração da Igreja, no momento em que se esperava apenas os tradicionais votos de Boas Festas. Francisco comparou a Cúria ao corpo humano exposto a doenças, mau funcionamento e enfermidades. Para o Papa, a Cúria estaria infectada com 15 doenças como “esquizofrenia existencial”, “fofoca” e “Alzheimer espiritual”, que a fez esquecer que seus integrantes deveriam ser homens de Deus.
“A Cúria é chamada a melhorar a si mesmo, sempre melhorar e crescer em comunhão, santidade e sabedoria para realizar plenamente sua missão”, disse o Papa.
As outras doenças da lista de quinze do Papa são: sentir-se imortal; excesso de trabalho; mentalidade dura; excessiva planificação; má coordenação; rivalidade e vanglória; carreirismo e oportunismo com bajulação dos chefes; indiferença perante os outros; cara fúnebre, acúmulo de bens materiais, vida em grupos fechados e exibicionismo.
O Papa Francisco esclareceu, todavia, que essas doenças não são alertas apenas à Cúria Romana mas para qualquer cristão, diocese, comunidade, congregação, paróquia e movimento eclesial.
Apesar das palavras duras, o discurso do Papa Francisco teve um toque de humor. Ele recordou que leu certa vez: “os sacerdotes são como os aviões, fazem notícia só quando caem…”. “Esta frase é muito verdadeira porque delineia a importância e a delicadeza do nosso serviço sacerdotal e quanto mal poderia causar um só sacerdote que cai a todo o Corpo da Igreja”, disse o Papa.

Matheus Leitão

Matheus Leitão é jornalista há 15 anos. Em sua carreira, passou pelas redações do Correio Braziliense, revista Época, portal iG e Folha de S.Paulo. Matheus recebeu o Prêmio Esso por duas vezes, o Troféu Barbosa Lima Sobrinho -- além de menção honrosa no Vladimir Herzog. Entre 2011 e 2012, esteve na Universidade de Berkeley, na California, como Visiting Scholar.

    Comente

    O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.