Criança reencontra cão que salvou sua vida por 12 dias em floresta na Sibéria

11/12/2014 11h14m. Atualizado em 19/12/2014 12h53m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

Um cachorro foi o responsável por salvar a vida de uma criança na Sibéria em 2013. Agora, um ano depois, o jornal Siberian Times mostrou o reencontro emocionante dos dois.

Karina Chitkova se perdeu na floresta da Sibéria junto com seu cachorro, Naida, em outubro do ano passado. Com apenas três anos de idade, a menina sobreviveu durante 12 dias sendo aquecida pelo animal, comendo frutas silvestres e bebendo água de um rio onde ficou escondida.

A floresta siberiana, onde os dois se perderam, fica próxima à República Sakha, a maior e mais fria região da Rússia. O local é o habitat natural de lobos e ursos e a temperatura chega a 29 graus negativos no inverno.

O cachorro manteve a menina aquecida durante nove dias. Depois disso, saiu em direção a uma aldeia em busca de ajuda. Ao encontrar os socorristas, o animal tentou levá-los até a criança, mas não conseguiu.

Caminhando pelo local, a equipe de resgate encontrou a marca da pata do cachorro e do pé de Karina perto do rio onde ela ia para beber água. A partir dali, as buscas se intensificaram e, um dia depois, a menina foi encontrada altamente desnutrida, exausta e com muitas picadas de mosquito.

Segundo a avó, Karina sobreviveu porque “não tem medo da floresta”. O médico Fedora Gogoleva, que fez o atendimento assim que ela chegou ao Hospital Infantil de Yakutsk, comentou que “Karina é uma menina muito forte, e seu caráter a ajudou a sobreviver”.

Assim que viu novamente seu cachorro, a garotinha perguntou porque Naida a havia abandonado. Hoje com quatro anos, Karina sorriu para as câmeras, orgulhosa com seu animal de estimação.

A menina russa ganhou o apelido de “Mogli”, em uma comparação com o famoso filme infantil.

Matheus Leitão

Matheus Leitão é jornalista há 15 anos. Em sua carreira, passou pelas redações do Correio Braziliense, revista Época, portal iG e Folha de S.Paulo. Matheus recebeu o Prêmio Esso por duas vezes, o Troféu Barbosa Lima Sobrinho -- além de menção honrosa no Vladimir Herzog. Entre 2011 e 2012, esteve na Universidade de Berkeley, na California, como Visiting Scholar.

    Comente

    O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.