Pibinho nas manchetes, mas corrupção não sai dos jornais neste sábado (29/11/2014)

29/11/2014 06h46m. Atualizado em 30/11/2014 07h30m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

Os jornais de São Paulo, tanto Estado, quanto a Folha, puxaram a notícia do PIB pelo baixo consumo que caiu após 11 anos. No crescimento mínimo do PIB no terceiro trimestre de 0,1%, o consumo das famílias encolheu. “Consumo perde fôlego após 11 anos e PIB mantém estagnação”, diz o Estado neste sábado (29). A Folha diz que “Consumo das famílias vai mal e PIB cresce só 0,01%”. O curioso é que as fotos dos grupos de consumidores comprando, levando caixas pra casa, parece contradizer os títulos. Mas eram apenas cenas de um dia de promoções fortes na adaptação no Brasil do “Black Friday” americano. O consumidor, mais endividado, está de fato moderando as compras.
“PIB sobe só 0,1%, e país sai da recessão técnica” diz o Globo, registrando em subtítulo que o resultado do terceiro trimestre só não é pior do que os registrados na Ucrânia, que enfrenta uma guerra, a Itália e o Japão. Vários artigos nos jornais analisam as causas desse número fraco, culpando as decisões tomadas pela política econômica, e Zuenir Ventura avisa: “Dilma tem que adotar medidas impopulares que na campanha atribuía a Aécio”.
A presidente Dilma, que na campanha dizia que “medida impopular é medida contra o povo”, defendeu o ajuste econômico na reunião do Diretório Nacional do PT. Nessa reunião, o tesoureiro João Vaccari Neto, citado pelo ex-diretor Paulo Roberto Costa de ser o operador do PT e de ter recebido dinheiro da corrupção na estatal, foi aplaudido pelos convencionais. Enquanto isso, na investigação da Polícia Federal da operação Terra Prometida, sobre grilagem de terra destinada à reforma agrária em Goiás, o ministro da Agricultura, Neri Geller, é citado como envolvido. Dois irmãos do ministro estão presos por causa dessa operação. Outro tema dos jornais é a volta dos procuradores que foram à Justiça com documentos que poderão ajudar a esclarecer novos pontos da Operação Lava Jato de corrupção na Petrobras.

Matheus Leitão

Matheus Leitão é jornalista há 15 anos. Em sua carreira, passou pelas redações do Correio Braziliense, revista Época, portal iG e Folha de S.Paulo. Matheus recebeu o Prêmio Esso por duas vezes, o Troféu Barbosa Lima Sobrinho -- além de menção honrosa no Vladimir Herzog. Entre 2011 e 2012, esteve na Universidade de Berkeley, na California, como Visiting Scholar.

    Comente

    O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.