Tatá Werneck arrasa ao ganhar prêmio na festa do “homem do ano” da revista GQ

28/11/2014 22h24m. Atualizado em 28/11/2014 22h24m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

No dia em que todos os premiados eram homens, Tatá Werneck, única mulher agraciada no “Man Of The Year da GQ”, roubou a cena. Chamou a atenção com seu discurso charmoso, fino e engraçado.
Na categoria “liderança” – o prêmio tinha 16 – ganhou Nizan Guanaes, que se descreveu como um “garçom de jangada” porque com seu gingado vai vencendo as mudanças bruscas da conjuntura brasileira. Na categoria global, o vencedor foi Sebastião Salgado que de tão global não pode comparecer. Está em Sumatra fazendo um trabalho fotográfico sobre o café, que vai expor em Milão em março. Mandou um recado de que o Brasil protegesse suas águas. Quem ganhou também foi Ricardo Ferreira, dono da Richard’s que está completando 40 anos de marca de sucesso.
Na festa, o curioso é que 15 homens ganham, mas o décimo sexto vencedor é…uma vencedora: a “Mulher do ano”. A escolhida foi Tatá Werneck. Tatá começou dizendo que era o primeiro prêmio que ganhava por ser mulher. “Queria agradecer muito por ser a mulher do ano porque ser considerada uma mulher já é maneiro”, afirmou, arrancando risos da plateia inteira, incluindo deste blogueiro. “É o primeiro prêmio que recebo como mulher e minha vida inteira eu fui julgada e criticada por ser do jeito que eu sou, uma mulher”.
Por ter esse jeito espevitado, e inimitável, Tatá contou que teve problemas em sua vida escolar. “No colégio eu fui expulsa não porque eu era bagunceira, mas porque eu era a única mulher bagunceira”. E dedicou o prêmio ao frei que a expulsou. “Eu acho muito legal ver que tudo que era visto como rebeldia, e não por virilidade, hoje é valorizado pela GQ”.
Tatá lembrou da família: “eu sou de uma família de mulheres muito trabalhadoras, muito guerreiras, independentes, nenhuma casou e acho que estou indo um pouco por esse caminho também (risos)”. Foi delas, contou, que tirou o exemplo de força.
Isto é Tata Werneck. Genial.

Matheus Leitão

Matheus Leitão é jornalista há 15 anos. Em sua carreira, passou pelas redações do Correio Braziliense, revista Época, portal iG e Folha de S.Paulo. Matheus recebeu o Prêmio Esso por duas vezes, o Troféu Barbosa Lima Sobrinho -- além de menção honrosa no Vladimir Herzog. Entre 2011 e 2012, esteve na Universidade de Berkeley, na California, como Visiting Scholar.

    Comente

    O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.