“Ninguém sabe, ninguém viu” Fernando Baiano no PMDB em Brasília

20/11/2014 09h59m. Atualizado em 20/11/2014 11h00m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

Diversas fontes ligadas à cúpula peemedebista disseram ao blog que Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano, não frequentava os bastidores do partido em Brasília. Em depoimento não sigiloso à Justiça, o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa apontou Fernando Baiano como “operador do PMDB” no esquema de pagamento de propina a políticos da Petrobras. O partido parece tentar se descolar do esquema que ficou conhecido como “Petrolão”, revelado pela operação Lava Jato.
Até agora, o líder do PMDB na Câmara, Eduardo Cunha (foto), foi o único peemedebista que admitiu conhecer Fernando Baiano. Eduardo Cunha disse ao GLOBO que o recebeu, em seu escritório no Rio de Janeiro, na condição de representante da espanhola Acciona. A empresa fez obras no Rio em empreendimentos de Eike Batista. Mas fez questão de frisar que: “não tem nenhum relacionamento ou relação com Fernando Baiano”.
Em resposta aos jornalistas que cobrem o Congresso, o presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Alves, negou que o PMDB possua um operador e questionou o autor da acusação.
“O PMDB não tem operador, não tem ninguém que realize esse tipo de trabalho menor em qualquer esfera do poder público. Ele é apontado por quem? A PF deu uma declaração informando que não tinha como afirmar a [ligação] dele com o PMDB. Eu vi essa pelas televisões. Isto aí vai se confirmar e se verificar, o que não tem, pelas declarações dele (Fernando Baiano) no seu depoimento”, disse Henrique Alves.
O vice-presidente da República e presidente do PMDB, Michel Temer, anda irritado com a insistência dos repórteres em Brasília em tentar achar a ligação de Fernando Baiano com o PMDB. De acordo com nota publicada na coluna do jornalista Ilimar Franco, nesta quinta-feira (20), no jornal O Globo, Temer se diz ‘agastado’ quando o tema é Fernando Baiano e, por isso, tem evitado as reuniões para negociar a nova meta fiscal para o governo: “Não quero mais saber de reunião. Estou agastado com isso. É como se eu tivesse alguma preocupação com esse Fernando Baiano”.

Matheus Leitão

Matheus Leitão é jornalista há 15 anos. Em sua carreira, passou pelas redações do Correio Braziliense, revista Época, portal iG e Folha de S.Paulo. Matheus recebeu o Prêmio Esso por duas vezes, o Troféu Barbosa Lima Sobrinho -- além de menção honrosa no Vladimir Herzog. Entre 2011 e 2012, esteve na Universidade de Berkeley, na California, como Visiting Scholar.

    Comente

    O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.