Barcelona não quer ser Espanha. 80,76% da Catalunha votam sim pela independência

10/11/2014 08h21m. Atualizado em 10/12/2014 23h42m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

A votação na Catalunha foi considerada inconstitucional pela Justiça espanhola e realizada sob forte oposição do governo de Madri neste domingo (9). Mesmo assim, em eleição informal, 80,76% dos mais de 2,2 milhões de votantes disseram “sim” à independência da Catalunha da Espanha, quando já haviam sido computados cerca de 96,8% dos votos totais.

reprodução twitter ElRipollès

reprodução twitter ElRipollès

A consulta popular consistiu em duas perguntas – se queriam a Catalunha como um Estado e se queriam que esse Estado se tornasse independente.

Durante o domingo, o ministro da Justiça da Espanha, Rafael Catala, disse que a consulta era “inútil”: “O governo considera que este é um dia de propaganda política organizado por forças pró-independência e não possui nenhum tipo de validade democrática”. Partidos espanhóis contrários à separação dizem que a consulta não tem legitimidades, já que foi realizada por grupos pró-independência.

Já o presidente do Executivo catalão – Generalitat, Artur Mas, considerou o processo “uma lição de democracia em maiúsculas” que serviu para demonstrar que a “Catalunha quer ser governada por ela mesma”.

As votações simbólicas, chamadas de “processos participativos”, pela independência haviam sido suspensas pelo Tribunal Constitucional a pedido do governo da Espanha. Mas entidades e partidos independentistas resolveram manter a consulta informalmente. Mais de 40 mil voluntários participaram da organização da consulta popular, que foi coordenada pela Generalitat.

 

Matheus Leitão

Matheus Leitão é jornalista há 15 anos. Em sua carreira, passou pelas redações do Correio Braziliense, revista Época, portal iG e Folha de S.Paulo. Matheus recebeu o Prêmio Esso por duas vezes, o Troféu Barbosa Lima Sobrinho -- além de menção honrosa no Vladimir Herzog. Entre 2011 e 2012, esteve na Universidade de Berkeley, na California, como Visiting Scholar.

    Comente

    O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.