Vaccari se encontrou com Yousseff mas não se lembra dos motivos. Ratos na sala da CPI. Destaques dos jornais desta sexta (10)

10/04/2015 08h47m. Atualizado em 10/04/2015 19h18m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

Em depoimento na CPI da Petrobras, o tesoureiro do PT, João Vaccari, admitiu que esteve com outros réus do caso Lava Jato, como Alberto Yousseff, mas afirmou que não se lembra dos motivos. Em sessão tumultuada, ratos e outros roedores foram jogados no chão da sala. O depoimento e, esta imagem dos roedores entre os deputados, estão nas primeiras páginas dos principais jornais desta sexta-feira, 10 de abril.

“Tesoureiro do PT não explica reuniões com delatores”, diz o Globo com o subtítulo “Vaccari diz ignorar reuniões com delatores”. Ele repetiu a frase de que as informações prestadas pelos delatores “no que se refere à minha pessoa não são verdadeiras”. Perguntado sobre por que se encontrou com Yousseff disse: “essa dúvida eu também tenho”.

No Estado de S. Paulo, a manchete é a mesma: “Vaccari nega na CPI da Petrobras ter operado propina”. A Folha dá a foto dos roedores em destaque, como outros jornais, mas registra em manchete que “Propina da Lava Jato foi de até R$ 6 bi, estima Petrobras”.

A estatal está em fase final de preparação de balanço. Os jornais têm falado em até o dia 20 para a divulgação do relatório, mas a estatal negou ter uma data específica. Só a notícia de que sairá afinal o balanço provocou uma grande alta nas ações da empresa na quinta-feira. Outro destaque dos jornais em relação à operação foi o fato de que o delator Paulo Roberto Costa mudou a versão, diz que não houve sobrepreço nos empreendimentos da Petrobras e que a propina saía do lucro das empreiteiras.

O Globo também destaca na primeira página a fala da presidente de que a Petrobras já deu “a volta por cima” e “limpou o que tinha que limpar”. Segundo o Valor, o conselho de administração da empresa vai mudar de novo para não ter político.

A manchete do Valor Econômico é sobre a lei de terceirizações, que foi aprovada esta semana na Câmara. Segundo o jornal, “Lei de terceirização não evita litígios na Justiça”. O IBGE divulgou o desemprego pelo PNAD contínua. No trimestre móvel terminado em fevereiro foi de 7,4%, o que significa uma alta em relação ao número de dezembro: 6,5%.

Outros destaques: a Câmara derrubou o sigilo dos financiamentos do BNDES; O STF considerou ilegais as pensões vitalícias de ex governadores do Pará e suas viúvas. Tem ações de outros dez estados para serem julgadas.

Matheus Leitão

Matheus Leitão é jornalista há 15 anos. Em sua carreira, passou pelas redações do Correio Braziliense, revista Época, portal iG e Folha de S.Paulo. Matheus recebeu o Prêmio Esso por duas vezes, o Troféu Barbosa Lima Sobrinho -- além de menção honrosa no Vladimir Herzog. Entre 2011 e 2012, esteve na Universidade de Berkeley, na California, como Visiting Scholar.

    Comente

    O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.