Justiça parada; Base aliada desunida; Investimentos cortados. Destaques dos jornais de domingo (5)

05/04/2015 08h30m. Atualizado em 06/04/2015 11h03m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

Os jornais de domingo (5) abrem seu noticiário com aspectos diferentes das crises que atingem o país. O Estado de S. Paulo traz uma reportagem feita pela Estadão Dados mostrando que “Base aliada vota tão desunida quanto na época do mensalão”.

Segundo o jornal, a base parlamentar na Câmara está tão desestruturada quanto na época em que o governo Lula enfrentou a crise do mensalão. Para chegar a esta conclusão foi criado um índice de dispersão. O jornal diz ainda que Renan Calheiros, ex-homem de confiança, é agora fonte de preocupação do Planalto. Renan publicou um artigo na Folha de S. Paulo deste domingo defendendo o Banco Central independente.

A Folha traz na primeira página uma matéria com o título “Com Executivo frágil, Câmara bate recorde de votações”. A maior parte dos projetos votados não tem o apoio do governo Dilma, “fragilizado pela turbulência política e econômica”. O senador Blairo Maggi em entrevista ao Estadão diz que “O Brasil está indo ladeira abaixo” e prevê derrota forte para o PT nas próximas eleições municipais.

O Globo abre seu noticiário com uma reportagem sobre a demora de processos na Justiça. “Pedidos de vista paralisam 216 processos no STF”. Tem julgamento suspenso desde que o ex-ministro Nelson Jobim em 1998 pediu vistas. Jobim se aposentou em 2006.

A Folha de S.Paulo abre seu noticiário com a informação de que “Cai investimento público em obras e equipamentos”. Diz que levantamento do jornal mostrou que gastos com recursos do Tesouro caíram 31% no primeiro bimestre. Os desembolsos das estatais caíram 24%. Os Estados também cortaram. Um exemplo é a ferrovia Norte-Sul que teve trecho paralisado.

A Folha traz a foto de todos os integrantes do núcleo duro da Força Tarefa da Operação Lava Jato no Ministério Público, com Deltan Dallagnol à frente. O jornal os chama de “Os Intocáveis” — numa referência aos procuradores que nos Estados Unidos durante os anos 1920/1930 investigaram crimes sob o comando de Eliot Ness.

Outros destaques do noticiário: a manifestação pela paz no Complexo do Alemão, onde a polícia matou um menino de dez anos; O Estadão diz que “Crise entre EUA e Caracas ofusca Cuba em cúpula”; O Globo continua sua série sobre as contas secretas no HSBC na Suiça. Levantamento do jornal e do Uol mostrou que entre 2006 e 2007 treze depósitos acima de US$ 50 milhões foram movimentados via paraísos fiscais, mais um sinal de que os recursos podem ter origem ilícita; O Globo diz ainda que o esquema investigado na Operação Zelotes movimentou R$ 1,2 bilhão.

Matheus Leitão

Matheus Leitão é jornalista há 15 anos. Em sua carreira, passou pelas redações do Correio Braziliense, revista Época, portal iG e Folha de S.Paulo. Matheus recebeu o Prêmio Esso por duas vezes, o Troféu Barbosa Lima Sobrinho -- além de menção honrosa no Vladimir Herzog. Entre 2011 e 2012, esteve na Universidade de Berkeley, na California, como Visiting Scholar.

    Comente

    O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.