Gastos menores, obras paradas e novos riscos fiscais. Nos jornais de segunda (30)

30/03/2015 09h18m. Atualizado em 31/03/2015 08h10m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

Os efeitos do ajuste fiscal estão em alguns dos jornais nesta segunda-feira (30). “Ajuste reduz gastos do PAC em 31,8% em 12 meses” é a manchete do Estado de S. Paulo. O jornal traz cálculos feito pela ONG Contas Abertas mostrando que o governo, ainda sem a lei orçamentária, está cortando mais do que no ano passado, principalmente em obras do PAC.

O Globo diz que o governo federal tem 18 obras paradas no Rio. Mas a manchete é uma boa notícia exclusiva: a de que “Professor já ganha mais em escolas públicas”. É resultado de uma análise em detalhes dos dados da PNAD que mostram que o salário do professor de escola pública é 6% maior do que na rede particular. De 2002 a 2013 enquanto o rendimento médio para 40 horas semanais cresceu 20% no setor público. No setor privado houve queda de 4%.

A Folha de S. Paulo diz que “Levy enfrenta nova ameaça ao ajuste fiscal no Congresso”. A ameaça seria a votação na terça-feira (1) do projeto que legaliza a guerra fiscal e embute dois fundos para compensar perdas dos estados com ICMS. Se for aprovada, custará à União R$ 10 bilhões em 2016. Este será um dos assuntos da conversa de Levy com o presidente do Senado, Renan Calheiros, também na terça.

A manchete da Folha é que “Petrobras quer que empreiteiras entreguem bens”. A estatal quer que as empreiteiras envolvidas no caso Lava-Jato paguem indenizações através de alguns ativos entregues à empresa de petróleo.

O Valor Econômico conta que “veto de Levy deve barrar concessões de ferrovias”. Pelo modelo imaginado no primeiro governo Dilma, o governo federal ficaria com todo o risco da operação e teria que comprar das ferrovias construídas a capacidade de transporte de carga que elas oferecessem, independentemente de haver cargas a transportar. Para isso o governo teria que emitir títulos no valor de R$ 15 bilhões em favor da Valec, estatal que daria garantia às empresas privadas. O ministro da Fazenda é contra esse modelo. A Folha traz também a informação de que algumas escolas particulares do Pronatec demitiram professores e suspenderam aulas por falta de pagamento do governo.

Matheus Leitão

Matheus Leitão é jornalista há 15 anos. Em sua carreira, passou pelas redações do Correio Braziliense, revista Época, portal iG e Folha de S.Paulo. Matheus recebeu o Prêmio Esso por duas vezes, o Troféu Barbosa Lima Sobrinho -- além de menção honrosa no Vladimir Herzog. Entre 2011 e 2012, esteve na Universidade de Berkeley, na California, como Visiting Scholar.

    Comente

    O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.