A estratégia política diante da queda de popularidade

18/03/2015 11h17m. Atualizado em 19/03/2015 09h17m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

Diante do maior índice de reprovação de um presidente desde 1992, pouco antes do impeachment do ex-presidente Fernando Collor de Mello, o governo Dilma Rousseff buscará estratégias para mudar o quadro atual, no qual apenas 13% dos brasileiros consideram o governo Dilma ótimo/bom. Veja o que o blog sabe:

– Ministro da Secretaria de Comunicação Social da Presidência deve ser incluído na reforma ministerial que sairá até o final do mês.

– Reforma Ministerial será nova tentativa da presidente Dilma dar uma resposta às ruas e reprovação do seu governo, que caiu bruscamente a 62% de reprovação, de acordo com o Datafolha.

– A presidente Dilma e o ex-presidente Lula acreditam que, ficando sob a tutela do PMDB, – consequência natural da reforma ministerial – podem escapar da crise política e econômica que os envolve.

– A reforma ministerial somada ao ajuste fiscal é o que o governo tem a oferecer até o momento para tentar conter a crise.

– Pesquisa Datafolha, porém, indica que crise deve piorar. Novas e relevantes informações da Lava Jato e a organização de protestos para o início do mês que vem vão realimentar a crise política e econômica.

– O quadro político piora e evolui no caso de novas revelações da Lava Jato e da organização de novos protestos de rua.

– PT e Movimentos Sociais não conseguiram até o momento uma mobilização de resposta à altura dos protestos do último dia 15. Todavia, é o que desejam.

Matheus Leitão

Matheus Leitão é jornalista há 15 anos. Em sua carreira, passou pelas redações do Correio Braziliense, revista Época, portal iG e Folha de S.Paulo. Matheus recebeu o Prêmio Esso por duas vezes, o Troféu Barbosa Lima Sobrinho -- além de menção honrosa no Vladimir Herzog. Entre 2011 e 2012, esteve na Universidade de Berkeley, na California, como Visiting Scholar.

    Comente

    O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.