Governistas bombardeiam ajuste fiscal de Dilma e novidades sobre o caso Petrobras são os destaques de terça (10)

10/02/2015 06h46m. Atualizado em 11/02/2015 07h11m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

Os próprios governistas estão bombardeando o ajuste fiscal da presidente Dilma. O PT apresentou 66 emendas à Medida Provisória que muda as regras de aposentadoria e pensões. Uma delas da ex-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann. Esta notícia é destaque nos jornais de terça-feira (10).

“Petistas já boicotam ajuste fiscal de Dilma” diz o Globo. A reportagem mostra que o partido tenta derrubar o prazo maior de tempo trabalho para ter acesso ao seguro desemprego, e a redução no valor das pensões de viúva jovem. A proposta da ex-chefe da Casa Civil simplesmente suprime a mudança na previdência. “Governistas do Congresso ameaçam ajuste fiscal” mostra a Folha de S.Paulo. A proposta formulada pela equipe econômica permite reduzir em R$ 18 bi os gastos este ano. Além do ataque do PT, o PC do B fechou questão contra as medidas.

A manchete do Estado de S.Paulo é sobre as mudanças feitas nas regras de contratação da Petrobras pelo ex-diretor Renato Duque que facilitaram a formação do cartel das empreiteiras entre 2003 a 2011. A denúncia é do ex-gerente jurídico da diretoria de Abastecimento Fernando de Castro e Sá. “Nova regra na Petrobras ajudou cartel, diz ex-gerente”, diz o Estado de S.Paulo, que informa na primeira página que o novo presidente da Petrobras Aldemir Bendine sairá do Banco do Brasil com a aposentadoria de 62 mil.

O Valor Econômico diz que “Solução técnica abre espaço para balanço da Petrobras”. Informa que foi encontrada uma técnica contábil que permitiria fazer abatimento do valor dos ativos da Petrobras causados por corrupção ou qualquer outro motivo. Mas isso levaria a um resultado muito menor do que os R$ 88 bilhões, talvez de R$ 10 bilhões a R$ 20 bilhões.

O Valor informa também que o ex-presidente Lula acha que tentam “desestabilizar” a presidente Dilma. Ele acha que o “petrolão” é o como o “mensalão” que, na visão dele, seria um processo de “execração pública” do partido. Em entrevista ao Globo, o ministro da Justiça José Eduardo Cardozo disse que “nada há contra a presidente Dilma” nas investigações da corrupção da Petrobras. A Folha diz que, “por imagem, Dilma busca ajuda de Lula e de marqueteiro”.

Outros destaques nos jornais de terça são: o mercado, ouvido pelo Banco Central, está prevendo crescimento zero para o PIB este ano e inflação acima da meta, em 7,15%. Com a chuva, melhorou um pouco o volume de água no reservatório Paraibuna, o maior dos quatro que abastecem o Rio. Nova reserva de água foi encontrada abaixo do Cantareira. Se for usada, será o quarto volume morto do manancial.

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha, diz que não pautará mudança em regra de aborto nem a regulação da mídia. Genoino pede a extinção da sua pena com base em decreto presidencial que prevê indulto para presos que tiverem cumprido uma parte da pena com bom comportamento.

Matheus Leitão

Matheus Leitão é jornalista há 15 anos. Em sua carreira, passou pelas redações do Correio Braziliense, revista Época, portal iG e Folha de S.Paulo. Matheus recebeu o Prêmio Esso por duas vezes, o Troféu Barbosa Lima Sobrinho -- além de menção honrosa no Vladimir Herzog. Entre 2011 e 2012, esteve na Universidade de Berkeley, na California, como Visiting Scholar.

    Comente

    O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.