Nazista de 93 anos vai ser julgado por Holocausto. Por Pierre Pichoff

04/02/2015 10h05m. Atualizado em 05/02/2015 11h13m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

No próximo dia 21 de abril, Oskar Groning, de 93 anos, será julgado por responsabilidade no genocídio de 300 mil pessoas no campo de concentração em Auschwitz, símbolo do Holocausto da Segunda Guerra Mundial. Oskar Groning era contador em Auschwitz e deve ser um dos últimos nazistas vivos.
Acusado por “cumplicidade” nos assassinatos, Oskar Groning foi sargento da divisão Waffen SS, em Auschwitz, na Polônia, entre maio e junho de 1944. Nesse período cerca de 425 mil pessoas foram deportadas, dos quais 300 mil teriam sido mortas nas câmaras de gás.
Oskar Groning era encarregado da contagem de notas de dinheiro que foram encontradas nas bagagens dos prisioneiros e seu dever era encaminhá-las até as autoridades nazistas em Berlim. Ele também tinha a função de se livrar das bagagens dos deportados para que novos prisioneiros não pudessem vê-las.
Segundo a acusação, Oskar Groning ficou ciente de que os prisioneiros incapazes de trabalhar eram “assassinados logo após a chegada no campo”.
Cinquenta e cinco sobreviventes ou famílias de vitimas participarão da audiência em Lunebourg, uma cidade ao sul do Hambourg.
Em 2005, Oskar Groning declarou ao jornal Bild que lamentava ter trabalhado em Auschwitz. Ele disse que ainda hoje ouvia os gritos vindo das câmaras de gás. “Tive vergonha durante décadas e tenho ainda hoje, não pelos meus atos, pois nunca matei ninguém. Mas eu ofereci minha ajuda. Eu era uma peça na máquina de matar que eliminou milhões de inocentes”, disse Oskar, que tinha 21 anos durante os acontecimentos.
Desde o processo dos chefes nazistas em Nuremberg em 1945-1946, cerca de 106 mil soldados alemães ou nazistas foram julgados, sendo 13 mil condenados, segundo dados oficiais alemães.

Pierre Pichoff

Formado como piloto comercial de avião, Pierre Pichoff mora em Caen, na Normandia, França. Ele é o diretor de uma empresa de turismo, a "Descobrindo a Normandia", que oferece passeios personalizados sobre a história da Segunda Guerra Mundial na Normandia, além de Paris e outros roteiros na França.

    Comente

    O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.