Troca de cargos por apoio no Congresso e novos aumentos de energia. Manchetes desta terça (3)

03/02/2015 06h44m. Atualizado em 03/02/2015 07h53m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

“Após derrota na Câmara, governo negocia segundo escalão” é a manchete do Estado de S.Paulo nesta terça-feira (3). A notícia trata da decisão do governo de amenizar o impacto da derrota na Câmara, com a eleição de Eduardo Cunha para a presidência da Casa, distribuindo cargos do segundo escalão para ter mais apoio no Congresso. A informação também está no O Globo em página interna e na Folha em título menor da primeira: “Mercadante vincula partilha de cargos a apoio no Congresso”.

O ministro da Casa Civil disse que a presidente comandará pessoalmente a distribuição de cargos combinando “critério de competência” com “apoio no Congresso”. Segundo o Valor Econômico, o senador Renan Calheiros, reeleito presidente do Senado e considerado pelo governo um contraponto a Cunha, tem demandas a fazer. Uma delas é a manutenção de Sérgio Machado na Transpetro. Machado foi afastado por envolvimento com o escândalo investigado na Operação Lava Jato.

“Governo planeja adiar pagamento de abono salarial” diz a Folha de S.Paulo sobre a decisão do governo em diluir em 12 meses o pagamento do abono. O benefício é um salário mínimo pago ao trabalhador cadastrado no PIS, que tenha ganhado até dois salários mínimos no ano anterior. Em mensagem ao Congresso, a presidente Dilma prometeu que não fará recessão nem retrocesso. O mercado já está prevendo PIB negativo para 2015, segundo o Banco Central.

“Cunha já estreia com desafios ao governo” — diz o Globo, informando que ele já “marcou território”. O novo presidente da Câmara quer colocar em votação projetos que desagradam o governo como o orçamento impositivo e uma reforma política com propostas diferentes das dos petistas. Em entrevista à Folha, Eduardo Cunha criticou o governo e disse que vai brigar na Justiça contra criação de novos partidos como o PL que Gilberto Kassab quer criar com o apoio do governo. “É incoerente defender o governo, defender a reforma política e estimular a criação de partidos fictícios”.

“Governo prepara mais um aumento de energia” é a manchete do Valor. A informação é que a presidente Dilma está preparando um decreto que aumenta em 50% a taxa paga pelo consumidor quando a bandeira vermelha estiver acionada. Isso será feito para ajudar a distribuidoras que continuam com problema de caixa. O Estado informa que em São Paulo começa agora a temporada de reajustes anuais das distribuidoras e que a “Conta de luz pode ficar até 33% mais alta a partir de hoje”. Esse reajuste anual se soma ao aumento já concedido em janeiro pelo sistema de bandeiras. Se o decreto for aprovado haverá nova alta no valor da sobretaxa pelo uso das térmicas.

Matheus Leitão

Matheus Leitão é jornalista há 15 anos. Em sua carreira, passou pelas redações do Correio Braziliense, revista Época, portal iG e Folha de S.Paulo. Matheus recebeu o Prêmio Esso por duas vezes, o Troféu Barbosa Lima Sobrinho -- além de menção honrosa no Vladimir Herzog. Entre 2011 e 2012, esteve na Universidade de Berkeley, na California, como Visiting Scholar.

    Comente

    O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.