Jokowi, o presidente que não atendeu Dilma Rousseff; Por Sérgio Abranches

18/01/2015 09h19m. Atualizado em 20/01/2015 15h33m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

Joko Widodo, conhecido em todo o mundo como Jokowi, que deixou sem resposta por uma semana o telefonema da presidente Dilma Rousseff para, ao final, negar-se a assinar o ato de clemência que livraria dois brasileiros, Marco Archer e Rodrigo Gularte, do fuzilamento por traficarem drogas, é apenas o segundo presidente a ser eleito pelo voto direto na Indonésia. Escolhido após uma campanha duríssima e polarizada, descrita por um analista político como a “guerra nas estrelas da Indonésia”, foi recebido por expectativas que dificilmente será capaz de satisfazer. Não pertence à oligarquia dominante do país, acostumada a mandar, com ou sem democracia. Vem de uma carreira muito popular na política local e estadual. Sua coalizão é minoritária no parlamento, com apenas 37% das cadeiras, e sua tendência é apoiar-se no apelo popular para compensar a fragilidade política de seu governo. Os desafios são imensos, a democracia é nova e frágil, a corrupção é endêmica, a economia está em crise, tem uma megapopulação espalhada por 8300 ilhas, extremamente vulnerável a eventos climáticos e naturais extremos, vive permanente ameaça de radicalização islâmica e confrontos com minorias étnicas e religiosas muito importantes. Em Papua o movimento separatista ainda persiste. Ele diz que está disposto a trabalhar com todos os partidos, mas a polarização radicalizada da campanha torna quase impossível obter a cooperação dos seus adversários. É comparado a Obama, por vir de fora da elite política, pelo voluntarismo e pela simpatia pessoal e habilidade motivacional. Mas como o próprio Obama descobriu, simpatia, habilidade motivacional e popularidade não são recursos suficientes para realizar as expectativas inflacionadas pelas promessas de campanha e pela esperança nascida da vitória de alguém que não faz parte do “sistema”.

Jokowi, até então um exportador de móveis de madeira, foi eleito prefeito da pequena cidade de Solo, na região central de Java, em 2005 e reeleito, em 2010, com 90% dos votos. Em 2012, foi eleito governador de Jakarta, com votação consagradora. No ano passou elegeu-se presidente da quarta maior população do mundo, aos 53 anos de idade, com 53% dos votos, prometendo combater a corrupção, o clientelismo e os privilégios da oligarquia. Seu oponente, o general aposentado Probowo Subianto, é filho de economista e ex-ministro dos ditadores Sukarno e Suharto, divorciado de uma filha de Suharto, seu cunhado foi presidente do Banco Central e seu irmão é um bilionário. Jokowi, filho de madeireiro e engenheiro florestal, confrontado com suas credenciais, parece ser um homem do povo, bem sucedido na política regional. Considerado um muçulmano moderado, defensor do pluralismo religioso (seu vice-prefeito era católico) e dos direitos humanos, sucede a um presidente islâmico de corte mais fundamentalista, no país que tem a mais ampla maioria muçulmana, em números absolutos, de todo o mundo. É um fenômeno eleitoral e um estranho no ninho da política de seu país. Amante do rock, fã incondicional do Metallica e de outros grupos de metal, foi apoiado por grandes celebridades do rock mundial, como o cantor Jason Mraz, o guitarrista do Guns N’ Roses “Bumblefoot” Thal e Sting.

O apelo popular tem sido seu principal trunfo. Durante o primeiro debate na TV, na campanha presidencial, disse que, para ele, “democracia é ouvir o povo e fazer aquilo que ele quer que eu faça”. Foi a mesma razão que encontrou para se recusar a comutar a pena de morte de dezenas de estrangeiros e indonésios condenados por tráfico de drogas. A ampla maioria da população pedia sua execução. Mas, certamente, não é a melhor maneira de inaugurar suas relações com outra economia emergente, parte do G20. Ainda que fosse para recusar, um diplomata profissional lhe indicaria formas mais protocolares e amistosas de dar a má notícia à governante de um país amigo, ainda que distante. Por outro lado, demonstrou, ao apoiar as execuções, em respeito à vontade popular e à decisão do Judiciário, após o devido processo legal, que sua visão de direitos humanos tem limites bem definidos.

A maioria dos analistas considera a falta de experiência para lidar com assuntos internacionais sua principal fraqueza. É um “político local”, dizem, populista e popular, que não tem uma visão cosmopolita da política. O que Jokowi tem mostrado com suas primeiras atitudes no plano internacional é que põe em primeiro lugar os interesses estritamente nacionais. Tudo o que fez até agora tem sido controvertido. Nomeou a diplomata Retno Marsudi, embaixadora na Holanda, para o ministério das Relações Exteriores. A primeira mulher a ocupar o cargo, ela não é conhecida. A maioria dos analistas de relações internacionais diz que não é possível dizer o que sua nomeação significa para o futuro das relações externas da Indonésia. Alguns poucos que a conhecem como embaixadora na Holanda, dizem que ela incrementou significativamente o comércio entre os dois países e o presidente deseja um chanceler mais ativo no campo comercial. Soa familiar. Jokowi tem mostrado mão pesada em lidar com questões internacionais que vinham incomodando a muitos há muito tempo. A pesca predatória nas costas da Indonésia, por exemplo, levou-a a mandar a guarda costeira confiscar navios de pesca vietnamitas, retirar a tripulação e bombardear as embarcações. Uma mensagem pouco amistosa ao Vietnam. Em resposta à entrada de vários navios australianos em águas indonésias, com refugiados que haviam tido asilo recusado, alertou o governo da Austrália, dizendo que era inaceitável e que a lei internacional devia ser respeitada. Tudo indica que Jokowi não tem muito interesse em agradar politicamente a aliados externos. Prefere agradar ao povo. E a alguns políticos tradicionais, dizem alguns de seus primeiros críticos, após o anúncio do gabinete que, ao contrário do que prometeu, não tem só profissionais. Há vários políticos ligados ao status quo.

Já na economia, é diferente. Sua primeira entrevista para a mídia ocidental foi para o Wall Street Journal, ao qual disse que pretende reduzir as barreiras à entrada de investimentos estrangeiros e reduzir a burocracia, para atrair investimentos principalmente para a infraestrutura logística do país. Disse, na entrevista que o orçamento do país é limitado e que a indonésia precisa de investimentos estrangeiros para construir seus portos em alto mar e aeroportos de categoria internacional. Ele já fez contatos com investidores internacionais e parece ter conquistado muita simpatia entre eles. No começo do mês, fez sucesso entre economistas e ambientalistas, nem sempre do mesmo lado, ao reduzir drasticamente os subsídios aos combustíveis fósseis. Filho de madeireiro e exportador de móveis de madeira, no país megadiverso com maior taxa de desmatamento do mundo, Jokowi também foi recebido com esperança pelos ambientalistas no campo florestal. Ele promete combater o desmatamento ilegal, do mesmo modo que acabou com os subsídios, para cumprir metas de redução de emissões de gases estufa. Ele diz que trabalha com prazos finais rígidos para completar seus projetos e é reconhecido como prefeito e governador, por ter entregue todos os projetos no prazo e finalizados. Sua marca é governança limpa, nos dois sentidos, ambiental e moral, transparente e eficiente.

Até agora as escolhas de política externa de Jokowi têm sido muito claras, nenhum interesse em cultivar relações diplomáticas protocolares, uma diplomacia mais voltada para os negócios do que para os palcos multilaterais ou para as cortesias bilaterais. Talvez essas escolhas e o olho treinado para o que o povo quer, expliquem porque Jokowi esperou uma semana para atender sua colega brasileira e lhe dizer não.

Sérgio Abranches

Sérgio Abranches é cientista político, comentarista da CBN e colaborador do blog.

6 Comentários para "Jokowi, o presidente que não atendeu Dilma Rousseff; Por Sérgio Abranches"

  • Alipio Mumic Filho 18-01-2015 (12:53 pm)

    Não deixou de atender à Dilma. Deixou de atender ao Brasil, ao senso de ética religiosa e moral. Matar nunca foi, não é e nem será solução, ou vai me dizer que a Indonésia é o Paraíso? Deve ser, sei lá?

  • Regina Helena Pedroso 19-01-2015 (5:23 am)

    Excelente aula , mestre !! Adorei !

  • paula rodrigues 19-01-2015 (7:02 pm)

    A nossa presidente Dilma esta de parabens por lutar e defender os brasileiros de quem acha que e Deus para determinar que tem que ser executados engracado qur porcarias pode vir de outros paises e fazer o que quer no nosso brasil a nossa presidente trm coracao e la e a mae zona inteligente e humana este presidente que aceita execusao tem contas para prestar com Deus quem ele pensa que e simpres ser humano qe fede igual a nos a gente fica indiguinada

  • Marcio Rodrigues 20-01-2015 (1:40 am)

    Um país comprometido com a corrupção não tem o direito de cobrar comportamento exemplar de nenhum cidadão. Deveria dar o exemplo!!! Que tal fuzilar o político corrupto para, depois, seguir as regras…

  • Marjane 20-01-2015 (1:11 pm)

    Tenho lido bastante comentários a respeito da condenação e execução neste sábado passado do brasileiro Marco Archer Cardoso, que há mais de 25 anos é integrante do tráfico internacional de drogas. Outro que tb está para ser executado é o brasileiro natural do Paraná Rodrigo Muxfeldt todos com extensa lista de transações no mundo do crime. Está explicado porque há tanto pedido de clemência, Rodrigo é filho de uma família que possui amigos políticos influentes no Brasil entre eles Fernando Collor, ex-presidente da república e atual senador. Os dois são bon-vivans e em uma entrevista ao Jornal Já de Porto Alegre que enviou um correspondente à Indonésia para entrevistá-los, os dois fazem apologia ao modo de vida que tiveram, falam de mulheres, carros, apartamentos etc. Reconheço que para as mães deles não esteja sendo nada fácil o momento de saber que há qualquer momento seus filhos serão fuzilados. Mas também imagino que para muitas mães que perdem seus filhos para o tráfico também não seja nada fácil. Quem se atreve a fazer uma conta imaginária!? 25 anos de tráfico de drogas, quantas pessoas foram induzidas a se viciarem,!? E quantas já morreram ou mataram por causa dos carregamentos de 25 longos anos de tráfico de drogas!? Todos falam da falta de humanidade que é manter os traficantes presos e também de condená-los à morte! Agora me diz se alguém tem a ousadia de falar da humanidade do traficante!? Principalmente para com aqueles que os devem!? Portanto vamos parar e pensar que não estamos falando de heróis nacionais, como os trabalhadores que todos os dias levantam cedo para prover seus sustentos e de suas famílias, para inclusive correr o risco de ver um filho seu aliciado pelo tráfico e ser mais um ponto de ganho que irá rechear a conta de bandidos como os dois que estão presos na Indonésia! Eles são sim bandidos, sabiam do risco tanto é que planejaram bem o transporte e tinham a certeza de que não seriam pegos, mas o uso cachimbo deixa a boca torta e facilidade que sempre conseguiram lhe fizeram pensar que fossem os caras, os espertalhões, agora já descobriram da pior forma que não o são! Se a Indonésia abrir para o caso dos brasileiros, terão de abrir para outros também. Engraçado vermos que algumas pessoas pedem a extradição para as cadeias brasileiras, se aqui não se mantém na cadeia nem quem é réu confesso! Nossa justiça é falha a´te para os casos mais simples, imaginem para o caso de tráfico internacional? E com os amigos que tem com certeza logo estariam nas ruas de novo, fazendo o quê? Traficando é claro! Ògan Luiz Alves.

  • GLÁUCIO SOARES 22-01-2015 (12:54 pm)

    Jornalismo investigativo exemplar, meu querido amigo!

Comente

O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.