Je Suis Charlie. Luto.

08/01/2015 08h40m. Atualizado em 10/01/2015 11h30m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

O pavoroso ataque à revista Charlie Hebdo representa um atentado contra a sociedade mundial. Contra um valor civilizatório, que é o da liberdade de expressão. Contra a liberdade de imprensa no mundo inteiro.
Nós, jornalistas, usamos a liberdade de expressão profissionalmente. E não se trata de corporativismo. O fato é que a liberdade de expressão é de toda a sociedade, como nós vimos na reação de milhares de pessoas que foram protestar pacificamente nas ruas de Paris.
A sociedade avançou com a liberdade de expressão. Os ideais que a construíram estão, inclusive, na revolução da Francesa, e marcaram a sociedade ocidental, os valores da humanidade, a civilização em si. Estão cravados na Liberdade, Fraternidade e Igualdade.
O atentado desta quarta-feira (7) atinge o berço desta liberdade de expressão, como bem disse o jornalista Paulo Silas, do Jornal de Limeira e da Rádio Magnificat FM. O atentado acontece no coração, na raiz, nesta semente poderosa e tão necessária.
No mundo inteiro os seres humanos lutam pela liberdade, mas a liberdade, neste caso, foi assassinada, como publicou o Le Figaro em manchete.
A verdade é que estamos vivendo dias tristes e sombrios. A inteligência se expressa pelo humor. As pessoas têm direito de fazê-lo ou praticá-lo e as pessoas também têm o direito de não gostar. Podem reclamar, podem usar os meios legais de cada país — caso se sintam ofendidos.
É bem diferente do que foi feito no coração de Paris no dia 7 de janeiro de 2015. Aqueles homens armados com metralhadoras atiravam friamente contra pessoas indefesas. Nada justifica o ataque. Não existe, neste caso, o “e se e se eles fizessem criticas de outra forma”.
Jamais será justificável a brutalidade, o assassinato frio, o terrorismo, a covardia. É intolerável mascarados entrarem na redação de um órgão de imprensa e metralharem os seus jornalistas. Mas, como disse Ziraldo… aconteceu. Que sociedade é esta… a que vivemos? #JeSuisCharlie Je Suis Charlie. Luto.

Matheus Leitão

Matheus Leitão é jornalista há 15 anos. Em sua carreira, passou pelas redações do Correio Braziliense, revista Época, portal iG e Folha de S.Paulo. Matheus recebeu o Prêmio Esso por duas vezes, o Troféu Barbosa Lima Sobrinho -- além de menção honrosa no Vladimir Herzog. Entre 2011 e 2012, esteve na Universidade de Berkeley, na California, como Visiting Scholar.

    Comente

    O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.