Genes especiais permitem que algumas baleias vivam mais de 200 anos

07/01/2015 16h11m. Atualizado em 08/01/2015 19h11m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

Enquanto a expectativa de vida dos brasileiros subiu para 74,9 anos em 2014, existem alguns animais que chegam a viver mais de 200 anos. É o caso das baleias de bowhead (Balaena Mysticetus), que têm mil vezes mais células do que os seres humanos.

Habitantes de mares árticos, as baleias de bowhead são mais resistentes às doenças relacionadas à idade, que atacam outros animais e também os seres humanos. Os cetáceos evoluíram naturalmente alguns de seus mecanismos para se proteger do câncer e do envelhecimento.

Determinada a descobrir os segredos da longevidade das baleias, uma equipe de cientistas mapeou o genoma da bowhead. Essa foi a primeira vez que o material genético desses animais foi analisado.

Os pesquisadores compararam o genoma da baleia com o de nove mamíferos, incluindo outros cetáceos, vacas, ratos e seres humanos. Os resultados foram divulgados no jornal norte-americano Cell Reports e demonstraram a existência de dois genes diferenciados nessas baleias: um traz resistência contra o câncer e está ligado ao envelhecimento e reparo de DNA; o outro está envolvido apenas na reparação do DNA.

O próximo passo dos cientistas é inserir esses genes em ratos de laboratório e descobrir se eles aumentarão sua longevidade e resistência às doenças.

A bowhead é a única baleia que passa toda a vida em águas do Ártico. Enorme, o crânio ósseo da espécie lhe permite romper o gelo marinho. Em perigo de extinção, a baleia chega a medir 15 metros e pesar 60 toneladas. Sua população é estimada em apenas 17 mil por ser alvo de caçadores.

Matheus Leitão

Matheus Leitão é jornalista há 15 anos. Em sua carreira, passou pelas redações do Correio Braziliense, revista Época, portal iG e Folha de S.Paulo. Matheus recebeu o Prêmio Esso por duas vezes, o Troféu Barbosa Lima Sobrinho -- além de menção honrosa no Vladimir Herzog. Entre 2011 e 2012, esteve na Universidade de Berkeley, na California, como Visiting Scholar.

    Comente

    O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.