Sonda espacial que está em Marte há 10 anos sofre com problemas de memória

03/01/2015 08h40m. Atualizado em 03/01/2015 08h40m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

Não são só os seres humanos que sofrem com a perda de memória. A sonda espacial “Opportunity”, que explora a superfície de Marte desde janeiro de 2004, também está precisando de alguns ajustes em seu armazenamento de dados. De acordo com informações da Nasa, a sonda está com problemas em sua memória eletrônica e, por isso, tem causado alguns transtornos na coleta de dados para a agência espacial norte-americana. Para os cientistas, a causa das falhas é o longo tempo de uso da sonda, que está há mais de 10 anos em Marte e já percorreu quase 42 quilômetros no planeta, o equivalente a uma maratona.

Assim como um computador, a Opportunity possui duas memórias. A primeira é a não-volátil, semelhante ao disco rígido de um PC, que mantém as informações registradas mesmo quando é desligada. A segunda é a memória volátil, que guarda informações rápidas, perdidas assim que o sistema se desliga, como acontece na memória RAM dos computadores.

A falha está acontecendo na memória a longo prazo, usada pelos pesquisadores da Nasa para analisar a superfície marciana detalhadamente. O maior transtorno é o tempo que a sonda demora para reiniciar seu sistema cada vez que a memória falha. Ao perder a comunicação com o centro de controle da Nasa, a Opportunity deixa de fornecer informações essenciais para os estudos. O plano dos cientistas é “hackear” o software da sonda e corrigir a falha, fazendo com que ele ignore a parte defeituosa de sua memória.

A sonda é uma das grandes vitórias da Nasa em toda a sua história. Programada para funcionar por apenas 90 dias na superfície de Marte, ela já está no local há mais de 10 anos, contribuindo com pesquisas importantes sobre o planeta. Foi a Opportunity que descobriu indícios de vida alienígena no planeta ao detectar concentração de metano, gás produzido por organismos vivos, geralmente gerado por micróbios.

Em artigo publicado pelo site Scientific American Brasil, John L. Callas, diretor de projetos da Nasa, explicou a satisfação dos pesquisadores com o longo tempo de vida da Opportunity. “Essa exploração é uma das coisas mais difíceis que a humanidade já fez. Precisamos de uma equipe incrível para lidar com os desafios que essas sondas enfrentam. Mas essa conquista demonstra do que pessoas dedicadas, motivadas, e altamente habilidosas são capazes. Ela representa a capacidade e a engenhosidade dos seres humanos. Ela representa nossa natureza de exploradores”, afirmou John.

Apesar dos problemas que está enfrentando agora, a Opportunity deve explorar por muito tempo a superfície de Marte, transformando em realidade o sonho de milhares de cientistas de se aproximar de outros planetas e estudar o universo que existe além da Terra.

Matheus Leitão

Matheus Leitão é jornalista há 15 anos. Em sua carreira, passou pelas redações do Correio Braziliense, revista Época, portal iG e Folha de S.Paulo. Matheus recebeu o Prêmio Esso por duas vezes, o Troféu Barbosa Lima Sobrinho -- além de menção honrosa no Vladimir Herzog. Entre 2011 e 2012, esteve na Universidade de Berkeley, na California, como Visiting Scholar.

    Comente

    O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.