China bloqueia gmail e quer aumentar estudo do comunismo

30/12/2014 06h40m. Atualizado em 31/12/2014 08h09m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

O gmail, webmail do google, foi bloqueado na China pelo quarto dia consecutivo, informou nesta segunda-feira (29) reportagem do jornal Financial Times.
Dados de tráfego publicados pelo Google mostram um aumento constante na popularidade no segundo semestre deste ano, apesar da resistência persistente do governo chinês.
A empresa informou que o Gmail não estava disponível na China e que notou um colapso repentino no tráfego. “Checamos e não há nada tecnicamente errado da nossa parte”.
Ao mesmo tempo que o gmail informa problemas de acesso, o presidente da China, Xi Jinping, pediu às universidades que intensifiquem o estudo do marxismo nas salas de aula e apelou para uma maior “orientação ideológica” para os estudantes.
De acordo com a agência de notícias estatal Xinhua, Xi Jinping acredita que as universidades tem o papel de “arcar com o ônus de aprender e pesquisar a difusão do marxismo” e de “cultivar e praticar os valores fundamentais do socialismo no ensino”.
Xi pediu às autoridades que intensifiquem a participação do Partido Comunista da China nas universidades, com mais “liderança e orientação, para “fortalecer e melhorar o trabalho político e ideológico”.

Matheus Leitão

Matheus Leitão é jornalista há 15 anos. Em sua carreira, passou pelas redações do Correio Braziliense, revista Época, portal iG e Folha de S.Paulo. Matheus recebeu o Prêmio Esso por duas vezes, o Troféu Barbosa Lima Sobrinho -- além de menção honrosa no Vladimir Herzog. Entre 2011 e 2012, esteve na Universidade de Berkeley, na California, como Visiting Scholar.

1 Comentário para "China bloqueia gmail e quer aumentar estudo do comunismo"

  • bereta 30-12-2014 (7:14 pm)

    Em resumo, embora sejam inteligentíssimos, os chineses precisam de cabresto ideológico.

Comente

O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.