Ambientalistas pedem troca de comando no Meio Ambiente

23/12/2014 16h46m. Atualizado em 24/12/2014 17h12m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

ONGs e ambientalistas pediram neste mês a mudança de comando no Ministério do Meio Ambiente (MMA) em texto repleto de críticas à política ambiental do governo Dilma Rousseff.
O Fórum Brasileiro de ONGs e Movimentos Sociais para o Meio Ambiente e Desenvolvimento (FEBONs) divulgou documento no qual lista série de demandas por políticas e ações ambientais.
“É fundamental que haja uma renovação do comando da atual gestão no MMA. O Brasil precisa de um novo momento do MMA que permita construir uma perspectiva mais favorável ao desenvolvimento justo e sustentável do Brasil que considere e se paute pelo respeito ao interesse público e não aos interesses privados”, diz o texto. “Uma nova gestão que inclua, considere e valorize a participação da sociedade civil organizada”, afirma o fórum, numa crítica direta à ministra Izabella Teixeira (Foto).
Nas entrelinhas, o documento aponta retrocessos e omissões na gestão da presidente Dilma e reivindica uma série de mudanças nas políticas de conservação, combate ao desmatamento e mudança climática. Na visão da FEBONs, é preciso “atuar no sentido de garantir que a posição do governo brasileiro a ser apresentada à
Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas estabeleça meta obrigatória de redução de emissões absolutas de gases de efeito estufa para o período pós-2020″.
A maioria dos itens listados ao longo de 14 páginas aponta que o governo abandonou praticamente todos os instrumentos relevantes construídos durante os governos Fernando Henrique Cardozo e Luiz Inácio Lula da Silva, principalmente durante as gestões de Marina Silva e Carlos Minc no MMA.
Entre outras demandas está a de retomar estratégias integradas de Prevenção e Controle do Desmatamento em todos os Biomas Brasileiros, especialmente na Mata Atlântica, Cerrado, Caatinga e Amazônia, intensificando ações dos planos já existentes. Está claro que os ambientalistas consideram que elas foram abandonadas por Dilma. O documento pede também o reforço “das iniciativas chave de enfrentamento de ‘drivers’, relativas ao ordenamento fundiário, atividades produtivas sustentáveis, monitoramento e controle e infraestrutura ambientalmente sustentável”.

Matheus Leitão

Matheus Leitão é jornalista há 15 anos. Em sua carreira, passou pelas redações do Correio Braziliense, revista Época, portal iG e Folha de S.Paulo. Matheus recebeu o Prêmio Esso por duas vezes, o Troféu Barbosa Lima Sobrinho -- além de menção honrosa no Vladimir Herzog. Entre 2011 e 2012, esteve na Universidade de Berkeley, na California, como Visiting Scholar.

    Comente

    O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.