Racionamento de batata frita surpreende clientes da rede McDonald’s no Japão

20/12/2014 17h48m. Atualizado em 21/12/2014 19h53m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

Uma disputa trabalhista no Japão causou consequências inesperadas em mais de 3 mil lojas da lanchonete McDonald’s no país. Cerca de 20 mil estivadores dos portos da Costa Oeste estão sem contrato desde o mês de julho desse ano e o Japão tem sofrido para receber produtos que vem de países como os Estados Unidos, fornecedor das batatas que o McDonald’s oferece aos clientes.

Na quarta-feira (17) os clientes japoneses foram surpreendidos com o racionamento das porções de batata frita da lanchonete. Dos três tamanhos existentes, a rede está fornecendo apenas o tamanho pequeno em todos os pedidos realizados. Como as batatas fritas devem ser obrigatoriamente norte-americanas, para manter o padrão da rede, os japoneses têm que se conformar com o tamanho pequeno do alimento, enquanto a situação dos portos não é regularizada e o estoque não volta ao normal. No momento, apenas 55% do volume mensal médio de batatas está sendo importado no país.

Em avisos colados nas caixas registradoras, o McDonald’s pediu desculpas aos clientes pelo transtorno. No site japonês da lanchonete, também há uma mensagem justificando as medidas adotadas. “Como atualmente estamos tendo dificuldade na aquisição das batatas fritas McDonald’s, as ofereceremos apenas no tamanho pequeno”, diz o anúncio em letras vermelhas.

Para compensar o problema causado, a rede de fast food diminuiu em US$0,40 cada promoção que inclui uma porção média de batata frita. Outra medida adotada foi a encomenda de 1.000 toneladas de batatas por transporte aéreo, além de mais 1.600 toneladas que virão pelos portos da Costa Leste. O problema é que esse carregamento só chegará ao país no final de janeiro. Até lá, a única solução para os consumidores é se acostumar com a redução do alimento.

De acordo com reportagem do The New York Times, o Japão é o segundo maior mercado do McDonald’s no mundo, perdendo apenas para os Estados Unidos. Lá, o cardápio tem variedades de alimentos típicos na culinária japonesa, como os hambúrgueres de croquete e gurakoro, uma mistura de camarão, macarrão e queijo.

Infelizmente, essa não é a primeira vez que os japoneses têm que lidar com a falta de um alimento. No início do mês, o país viveu uma crise na indústria de laticínios, obrigando o governo a limitar a compra da manteiga pelos consumidores. O estoque estava esgotado por causa do estresse das vacas leiteiras, da idade avançada dos agricultores e da alta nos custos de produção. No auge da crise, cada japonês foi limitado a levar no máximo dois pacotes de manteiga para casa, de acordo com o jornal Washington Post.

Matheus Leitão

Matheus Leitão é jornalista há 15 anos. Em sua carreira, passou pelas redações do Correio Braziliense, revista Época, portal iG e Folha de S.Paulo. Matheus recebeu o Prêmio Esso por duas vezes, o Troféu Barbosa Lima Sobrinho -- além de menção honrosa no Vladimir Herzog. Entre 2011 e 2012, esteve na Universidade de Berkeley, na California, como Visiting Scholar.

    Comente

    O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.