Vitória de Medina ameniza notícias de escândalo e crise nos jornais de sábado (20)

20/12/2014 08h08m. Atualizado em 20/12/2014 15h25m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

A imagem mais forte em todos os jornais de sábado (20) é a da festa no Havaí ao brasileiro Gabriel Medina, que colocou o Brasil no topo do surfe mundial ao vencer o primeiro campeonato que o país ganhou na modalidade.
Apesar de não ser manchetes são fotos que ocupam a maior parte das primeiras. As manchetes continuam dedicadas aos problemas de sempre com seus novos desdobramentos. A ex-gerente da Petrobras Venina Velosa da Fonseca depôs na sexta (19) por cinco horas para os procuradores que estão investigando o caso Lava-Jato. Disse que a presidente da Petrobras, Graça Foster, e toda a diretoria sabia de irregularidades nos contratos da Diretoria de Abastecimento. Ela entregou cópas dos e-mails aos procuradores.
O Globo destaca este fato: “Ex-gerente entrega ao MP e-mails de alerta a Graça”. Já o Estado de S.Paulo diz que “Lista da Petrobras faz Dilma reavaliar Ministério”.
A presidente está dedicada ao quebra-cabeças para montar seu vasto Ministério com integrantes do grande número de partidos, e facções de partidos que compõem a sua base. O problema é que a lista dos 28 políticos envolvidos traz alguns dos nomes que ela havia pensado para o governo, como o deputado Henrique Eduardo Alves.
Os jornais também informam na primeira pagina que o Supremo Tribunal Federal (STF) homologou a delação premiada do doleiro Alberto Youssef, abrindo caminho para instauração de inquéritos contra os políticos, que deverão ser fatiados.
A Folha de S.Paulo optou pela economia: “Governo aumenta juro de longo prazo para as empresas”. A chamada é sobre a notícia divulgada no fim do dia desta sexta (19), que a TJLP, taxa cobrada pelo BNDES nos financiamentos de longo prazo para as grandes empresas, vai subir de 5% para 5,5%. Essa taxa é cobrada em 90% dos empréstimos do banco e é a primeira alta desde outubro de 2003. As taxas do Plano de Sustentação de Investimento subiram de 4% a 8,8% para 6,5% a 10% ao ano. Ainda assim embute um grande subsídio, já que a Selic é 11,75%.
Em menor destaque na área econômica, os jornais trazem duas noticias: a carga tributária de 2013 atingiu o recorde, 36%, número oficial; e as contas externas tiveram um rombo de US$ 9,3 bilhões. Em doze meses atinge US$ 88,7 bilhões.

Matheus Leitão

Matheus Leitão é jornalista há 15 anos. Em sua carreira, passou pelas redações do Correio Braziliense, revista Época, portal iG e Folha de S.Paulo. Matheus recebeu o Prêmio Esso por duas vezes, o Troféu Barbosa Lima Sobrinho -- além de menção honrosa no Vladimir Herzog. Entre 2011 e 2012, esteve na Universidade de Berkeley, na California, como Visiting Scholar.

    Comente

    O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.