Nova espécie de macaco é encontrada entre a Amazônia e o Pantanal

17/12/2014 15h44m. Atualizado em 17/12/2014 15h44m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

O Brasil possui atualmente a maior variedade de primatas do planeta. As florestas do país estão repletas desses animais que, de acordo com o Instituto Chico Mendes, já somam 134 espécies e subespécies. Nesta semana, uma novidade descoberta por pesquisadores da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat) pode aumentar ainda mais a lista.

A equipe do Laboratório de Mastozoologia da universidade encontrou uma nova espécie de macaco na região de transição entre a Amazônia e o Pantanal mato-grossense. Durante atividades de campo realizadas no final de novembro, os pesquisadores descobriram três animais do gênero Pithecia, também conhecidos como parauacus.

Segundo informações do site Fotos Públicas, a equipe da Unemat ainda não agrupou os animais em nível de espécie, pois as características dos parauacus encontrados são diferentes dos primatas comuns desse gênero. Além de mudanças na cor, os macacos da região apresentaram calvície muito acentuada.

Para a equipe, o motivo pode ser a grande devastação encontrada no local. A vegetação quase não existe mais, por causa da agricultura e pecuária implantadas nas regiões próximas, o que torna a sobrevivência desses animais ainda mais difícil.

Após a descoberta, o próximo passo dos pesquisadores é analisar em detalhes os macacos, para determinar se essa é uma nova espécie ou se houve apenas uma variação das características por causa da geografia em que eles estão vivendo.

Como não há nenhuma unidade de conservação próxima ao local, se as condições da floresta não melhorarem, o risco de extinção da espécie encontrada há um mês já é considerada real pelos pesquisadores.

Matheus Leitão

Matheus Leitão é jornalista há 15 anos. Em sua carreira, passou pelas redações do Correio Braziliense, revista Época, portal iG e Folha de S.Paulo. Matheus recebeu o Prêmio Esso por duas vezes, o Troféu Barbosa Lima Sobrinho -- além de menção honrosa no Vladimir Herzog. Entre 2011 e 2012, esteve na Universidade de Berkeley, na California, como Visiting Scholar.

    Comente

    O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.