Novos ossos de escravos são descobertos no centro do Rio de Janeiro

19/12/2014 08h08m. Atualizado em 21/12/2014 09h15m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

Novos ossos de escravos foram encontrados nas escavações feitas em frente ao Cemitério dos Pretos Novos na rua Pedro Ernesto, no Rio de Janeiro. O achado arqueológico aconteceu no meio do esforço de revitalização do centro do Rio e dá mais elementos para as pesquisas em torno do tema.

Aproveitando-se as obras que já estão paralisando vários pontos do Centro do Rio, os arqueólogos isolaram a parte da rua na Gamboa (foto abaixo), onde, no final dos anos 1990, foram encontrados restos mortais de escravos que morreram logo que chegaram da longa viagem nos navios negreiros.

 

Arqueólogos isolaram parte de rua no Rio (Merced Guimarães dos Anjos)

Arqueólogos isolaram parte de rua no Rio em frente ao hoje Instituto dos Pretos Novos, centro cultural e de preservação da história da escravidão e dos negros. (Merced Guimarães dos Anjos)

 

O nome “pretos novos” definia os escravos recém chegados da África, que não sobreviviam ao suplício da viagem e morriam antes de serem comercializados, explica o historiador Julio Cesar de Medeiros. Ele estudou o local em uma premiada tese de mestrado.

A importância desse sítio arqueológico no Rio cresce a cada dia com o aumento dos estudos sobre a origem das pessoas escravizadas trazidas para o Brasil. Mas o local é desconhecido pela maioria da população brasileira. Ele nos revela sinais do estarrecedor passado em que a escravidão foi a base do trabalho e da economia por mais de 300 anos.

O historiador encontrou registros de que, no curto período de 1824 a 1830, 6.119 corpos foram jogados no local. E digo “jogados” porque eles não eram enterrados propriamente, eram descartados lá, e deixados insepultos ou apenas com um pouco de terra por cima. Até agora não foram encontrado corpos inteiros nas escavações feitas em outras partes do entorno. Uma das razões é que os ossos eram quebrados, às vezes queimados, para caber mais corpos no mesmo local.

Esta é a primeira vez que a própria rua Pedro Ernesto, na Gamboa, é escavada. Como se pode ver nas imagens, a história do Rio, está em toda a parte, inclusive a alguns palmos abaixo do chão. A tese do professor Medeiros, que virou o belo livro “À flor da terra”, é um trabalho exemplar de investigação. O historiador encontrou os registros dos sepultamentos — ou “insepultamentos” — em antigo catálogos da Cúria Metropolitana do Estado.

Os negros recém chegados, em sua maioria, não tinham ainda nomes na nova terra. Por isso o registro informa o porto onde a pessoa havia sido embarcada, a idade presumida, o navio que o trouxe e o nome do traficante. Dá para saber que havia muitas crianças. O catálogo analisado ponto a ponto pelo historiador trata apenas de 1824 a 1830. Em entrevista ao blog, Medeiros contou que existe outro livro de um período anterior, de 1816 a 1824, mas está praticamente ilegível. O cemitério funcionou ali desde o fim do século XVIII.

HISTÓRICO
O Cemitério dos Pretos Novos foi primeiramente encontrado pela descendente de espanhóis, Ana Maria de la Merced Guimarães dos Anjos, conhecida como Merced, e o marido Petrucio Guimarães durante uma obra na casa que haviam comprado ao lado da sua. Eles queriam fazer um estacionamento no local, para uma renda extra, mas se depararam, quando começaram a escavar, com uma grande quantidade de ossos. Pararam a obra e chamaram os peritos da prefeitura.

Os estudos arqueológicos revelaram que aquele local vinha sendo procurado há muito tempo por pesquisadores porque fora descrito pelos visitantes estrangeiros que vieram para o Brasil no início do século XIX. Chocados, eles descreveram o cemitério com palavras fortes.

Em 1814, o alemão G. W. Freireyss escreveu: “No meio deste espaço [de 50 braças] havia um monte de terra da qual, aqui e acolá, saíam restos de cadáveres descobertos pela chuva que tinha carregado a terra e ainda havia muitos cadáveres no chão que não tinham sido ainda enterrados”.

Outro, um inglês, relatou: “Quase não é preciso acrescentar-se que nesses cemitérios assistiam às mais repugnantes cenas aqueles que entendiam de escolhê-los para campos de suas observações, sendo o mau cheiro intolerável, e pondo eles em sério perigo a saúde da cidade, enquanto não houver uma reforma”.

Pesquisadores e os donos da casa se uniram para transformar o local no que hoje é o Instituto dos Pretos Novos, um centro cultural e de preservação da história da escravidão e dos negros.

O blogueiro esteve recentemente em visita à casa. É impressionante, triste, ver as marcas desse passado, mas ao mesmo tempo, é importante constatar que se começa o trabalho de preservação e de respeito à memória dos que viveram e morreram de forma tão trágica, e que foram desrespeitados até depois da morte.

O que a gente vê são alguns ossos juntos, arcadas dentárias, um pedaço de fêmur, e outros fragmentos no chão, à flor da terra. Numa terra que nasceu supostamente cristã, religião que tem por lema, no Novo Testamento, o “amai o teu próximo como a ti mesmo” é difícil entender esse passado. Não era o caso ali, um pequeno território com sinais de um tempo extremo. Nas primeiras escavações do sítio arqueológico, foram encontrados 5.563 fragmentos de ossos permitindo identificar 28 corpos — jovens do sexo masculino, com idades entre 18 e 25 anos, um em cima do outro.

Agora as novas fotos obtidas pelo blog, e que foram feitas durante os trabalhos da nova escavação na rua em frente à casa, mostram um crânio (imagem principal, acima), uma arcada e um bloco que eles acreditam ser de ossos compactados (foto abaixo), porque assim eram tratados os restos mortais dos escravos para caberem em espaço tão pequeno que a cidade destinou para este cemitério. O resultado das análises do material nos trará mais informações que irão se somar ao que já sabemos: o Cemitério dos Pretos Novos é um patrimônio histórico da humanidade.

Bloco que arqueólogos acreditam ser de ossos de escravos compactados (Merced Guimarães dos Anjos)

Bloco que arqueólogos acreditam ser de ossos de escravos compactados (Merced Guimarães dos Anjos)

O professor Medeiros conta que o cemitério era administrado pela paróquia de Santa Rita, uma entidade católica que cobrava do Estado pelo serviço. O respeitado professor José Murilo de Carvalho, orientador da tese de Medeiros, descreveu o estudo com um relato de um outro mundo, “marcado pelo sofrimento de uns e pelo desrespeito de outros, um mundo de práticas desumanas. […] Ao horror dos navios negreiros e das senzalas, será preciso acrescentar agora o do Cemitério dos Pretos Novos”. Esse era o tratamento que dávamos a seres humanos: enterros a um palmo de profundidade, ou nem isso, sem direito a qualquer ritual religioso.

Após 1830, espaço temporal na qual termina a pesquisa da tese de mestrado, a Inglaterra exigiu que o Brasil aprovasse leis que impedissem o tráfico de escravos. No entanto, todos sabiam que essas leis não seriam cumpridas. Assim, eram criadas apenas “pra inglês ver”.

É esta a origem do hábito conhecido de mentir, dissimular, e disfarçar o não respeito às leis. Depois de 1830 o tráfico negreiro continuou, mas como estava oficialmente proibido, os mortos na chegada foram jogados em outros lugares, que permanecem desconhecidos. Em 1850, a lei Eusébio de Queiroz veio para confirmar que as antigas proibições deveriam ser respeitadas. Foi só a partir daí que o tráfico começou a declinar.

O Cemitério dos Pretos Novos tem enorme importância por ser apenas de africanos recém chegados, o que nos ajuda a saber exatamente as etnias que formam parte da gente brasileira. Sua importância histórica também começa a ser entendida. O Instituto está reivindicando que fiquem lá os ossos encontrados na rua, da mesma forma que foi doado ao Instituto, um ferro de marcar escravos encontrado em outra escavação nas proximidades.

Matheus Leitão

Matheus Leitão é jornalista há 15 anos. Em sua carreira, passou pelas redações do Correio Braziliense, revista Época, portal iG e Folha de S.Paulo. Matheus recebeu o Prêmio Esso por duas vezes, o Troféu Barbosa Lima Sobrinho -- além de menção honrosa no Vladimir Herzog. Entre 2011 e 2012, esteve na Universidade de Berkeley, na California, como Visiting Scholar.

18 Comentários para "Novos ossos de escravos são descobertos no centro do Rio de Janeiro"

  • Merced 19-12-2014 (3:06 pm)

    Venho agradecer pelo carinho pela nossa história.

    • Pedro Santos 25-12-2014 (12:28 pm)

      Isto é apenas uma pontinha do iceberg de crueldade praticada por um povo medíocre e preguiçoso nesse imenso Brasil que até hoje vê no outro a sua fonte de renda e economia. Pra se ter uma ideia, nós os negros continuamos a ter os menores salários, não ter nossas casas própria, as cadeias e penitenciárias estão lotadas de nosso povo em virtude da deseducação promovida pela grande mídia. Acredito nas Forças Superiores do Amor e um dia todos injustiçados e promotores da injustiça irão se reconciliar em nome do Amor Maior Fraterno !!!!! Saraváaaaaaaa!!!!!!!

      • Marcos 31-12-2014 (7:51 am)

        Sou ex presidiário e a realidade das cadeias mudou faz tempo. A maioria não é mais de negros!!

  • Júlio César 19-12-2014 (5:02 pm)

    Parabéns pela matéria. Temas como este devem estar presente sempre em nosso dia a dia, afinal são eles que nos lembram da nossa origem.

  • Flávio 19-12-2014 (7:08 pm)

    Parabéns pela matéria. Como escreveu Kundera, a luta do homem contra o Poder é a luta da memória contra o esquecimento. Precisamos reconstruir a verdade de nosso passado de massacres contra minorias, negros, presos políticos etc.; estabelecer nossa memória coletiva, consolidar a democracia e garantir um futuro melhor para nossos filhos e netos.

  • Marcos de Souza 19-12-2014 (9:38 pm)

    Muito Interessante a matéria, Está de Parabéns. Como o Professor Julio Cesar menciona assuntos como este necessitam estar difundidos em nosso cotidiano nos remetendo as nossas reais origens.

  • maria moreira 22-12-2014 (7:24 pm)

    Como eu queria saber mais dos meus antepassados africanos como eu sei dos meus europeus, obrigada pela pesquisa

  • zeni pinheiro 23-12-2014 (6:56 pm)

    Essas obras que estão sendo realizadas no RJ na região do Porto, se constituirão num “período histórico ‘da cidade do rj
    Entrarão nos livros didáticos das futuras gerações,mas a população atual não se dá muita conta dessa importância. É preciso
    mais divulgação, penso eu…

  • Paulo Andrade 24-12-2014 (1:32 am)

    Bem,eu queria dizer muitas coisas mas a emoção me deixou sem palavras…

  • Eliane de Castro Fonseca 24-12-2014 (10:39 am)

    Tal qual o holocausto, o extermínio de milhares de índios e a escravidão no Brasil, deveria ser motivo de vergonha para quem os matou e escravizou (interessante é que não vimos nenhum relato sobre isso). Tirando-os de sua terra, sua pátria, de suas famílias… podemos imaginar o horror vividos por essas pessoas. É realmente muito triste pensar sobre isso.

    • clarice moraes 25-12-2014 (4:12 pm)

      temos que pensar quem lucrou com a escravidão, por favor verifiquem os proprietários dos navios negreiros, quais países lucraram, e lembrem que a maioria dos países africanos são muçulmanos, então era uma guerra santa. onde católicos se uniram com o fazem até hoje para exterminar os pagãs. também cabe pensar quem lucra e lucrou com o apartheid na África do Sul, de quem são as minas de diamantes e os museus destas pedras. Holocausto é lembrado (tem até instituto e lei no brasil que é aplicada nas escolas públicas) por que foram 6 milhões de brancos (pois negros, ciganos e outros) não mereciam constar nesta estatística.

  • Renato de Jesus Costa 24-12-2014 (9:32 pm)

    Sou negro e provavelmente um desses pode ser um ancestral meu.

  • Isabel Díaz 25-12-2014 (3:13 am)

    Impresionante , indignante, el horror y sufrimiento que deben haber vivido… paz a sus almas.

  • Penha Santos 25-12-2014 (8:00 pm)

    Agradecemos imensamente pela matéria.
    Maria Moreira, Paulo Andrade, venham conhecer o Instituto Pretos Novos- IPN. Estamos localizados na Rua Pedro Ernesto 32 – Gamboa – RJ.Grfata.
    PenhaSantos
    Coordenação Cultural – IPN

  • Murdok 27-12-2014 (9:25 am)

    Parabéns Matheus Leitão por postar esse material. Sempre existe uma luz no fim do túnel, e é com essa luz que precisamos recontar nossa história.

  • Marcos Romao 27-12-2014 (9:43 am)

    Males que vem para bem. Obras paradas facilitam ver , o passado que está sendo destruído à toque de caixa. Parabéns pela matéria é um alerta a toda cidade, para que saiba , que todarande cidade que se preza, quando há indícios de material histórico enterrado, para logo as obras e trata de proteger o patrimônio histórico.

Comente

O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.