Paris vai indenizar americanos transportados em trens franceses no Holocausto

07/12/2014 20h04m. Atualizado em 10/12/2014 19h18m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

Por Pierre Pichoff
Segundo o diário francês Le Monde, o governo francês vai indenizar as vítimas estrangeiras que foram transportadas pela empresa ferroviária nacional francesa, SNCF, até os campos de concentração, durante o Holocausto na Segunda Guerra Mundial.
Após dois anos de negociação, o acordo entre Washington e Paris, que deve ser formalmente assinado nesta segunda-feira (8), prevê o pagamento de 60 milhões de dólares (mais de R$ 150 milhões) aos milhares de deportados sobreviventes americanos e suas famílias. Cada vítima deve receber cerca de US$ 100 mil dólares. Além de americanos, canadenses e israelenses também terão direito ao pagamento. Os recursos farão parte de um fundo financiado por Paris e gerido pelos Estados Unidos.
Em contrapartida a essa indenização histórica, os Estados Unidos prometeram defender a imunidade da jurisdição das empresas estrangeiras fora dos Estados Unidos para protegê-las de qualquer forma de perseguição judicial. Assim, a empresa de trens francesas não poderá ser processada pelos tribunais americanas.
“A SNCF nunca foi responsável pela deportação. Ela foi um instrumento da deportação (…) são as autoridades da França que tem que assumir as consequências”, disse o embaixador francês para os Direitos Humanos, Patrizianna Sparacinos-Thiellay.
Requisitada pela administração colaboracionista, o governo francês de Vichy, a SNCF transportou 76 000 judeus da França até os campos de extermínio e de concentração nazista entre 1942 e 1944. Apenas três mil sobreviveram. A empresa alega que não tinha controle efetivo sobre suas operações ferroviárias durante a ocupação nazista.
A polêmica sobre o papel do transporte francês no Holocausto surgiu após a SNCF participar de licitação ferroviária para trens alta velocidade nos Estados Unidos nos últimos anos. Alguns legisladores estaduais queriam proibir a companhia de assinar contrato com os EUA por conta de seu envolvimento na Segunda Guerra Mundial.

Pierre Pichoff

Formado como piloto comercial de avião, Pierre Pichoff mora em Caen, na Normandia, França. Ele é o diretor de uma empresa de turismo, a "Descobrindo a Normandia", que oferece passeios personalizados sobre a história da Segunda Guerra Mundial na Normandia, além de Paris e outros roteiros na França.

    Comente

    O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.