Baixo crescimento para 2015, efeitos da crise e a corrupção estão nas manchetes dos jornais nesta sexta (05/12/14)

05/12/2014 08h42m. Atualizado em 05/12/2014 22h01m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

O governo dizer que o PIB vai subir apenas 0,8% em 2015 é a manchete do Globo desta sexta-feira (5). Esse “choque de realidade” como diz na manchete do caderno de economia já é parte da chegada do ministro indicado Joaquim Levy, tanto que a meta de 1,2% do PIB já está no orçamento que tem previsões mais realistas também para o comportamento da dívida. O blog comentou esta notícia em outro post. Os jornais dão em destaques as fotos dos ministros – o que sai e o que entra – no encontro de ontem. A Folha de S. Paulo puxou seu noticiário pelo mesmo assunto: “Governo revê a alta do PIB em 2015 de 2% para 0,8%”. O jornal informa que essa revisão faz parte do plano de resgate da credibilidade da política econômica.
A corrupção é o tema da manchete do Estado de S. Paulo. Conta que o juiz Sérgio Moro disse no despacho em que negava a soltura do ex-diretor da Petrobras Renato Duque que , como diz o título – “Há indícios de que a corrupção vai além da Petrobras”, diz Juiz -. Moro, que está no comando do caso Lava Jato, mostrou perplexidade diante de uma planilha de dados de 750 obras. “Os crimes, quer praticados por cartel de empresas, quer produto de iniciativa individual de cada empresa, revelam quadro extremamente grave em concreto”, diz.
A presidente Dilma pediu “respeito às escolhas legítimas do povo” e os ministros José Eduardo Cardozo e Luís Inácio Adams também defenderam o PT. Isso foi dito como reação às declarações do empresário da Toyo Setal Augusto Mendonça Neto de que parte da propina foi paga em doações legais ao PT. Esta notícia está em destaque no alto da página do Globo.
O Valor Econômico também informa que “Nova equipe econômica usa previsão de mercado” para falar da queda da previsão do PIB. Seu título principal no entanto é o de que “Empresas garantem crédito concedido a seu fornecedor”. Isso é uma forma de as empresas maiores ajudarem as menores a atravessar a crise. Com a garantia das maiores, as pequenas e médias pagam menos juros.

Matheus Leitão

Matheus Leitão é jornalista há 15 anos. Em sua carreira, passou pelas redações do Correio Braziliense, revista Época, portal iG e Folha de S.Paulo. Matheus recebeu o Prêmio Esso por duas vezes, o Troféu Barbosa Lima Sobrinho -- além de menção honrosa no Vladimir Herzog. Entre 2011 e 2012, esteve na Universidade de Berkeley, na California, como Visiting Scholar.

    Comente

    O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.