PT não consegue engolir Eduardo Cunha e deve enfrentar PMDB

05/12/2014 09h01m. Atualizado em 05/12/2014 09h21m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

O Partido dos Trabalhadores vai definir na semana que vem o nome que pretende eleger para a presidência da Câmara em 2015. Mas, ao que tudo indica, não deve ser o candidato do PMDB, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Com a decisão, o PT quebra o acordo prévio de troca de apoio com o PMDB.
Em entrevista aos jornalistas nesta quinta-feira (4), o líder do PT na Câmara, deputado Vicentinho (SP), disse que o partido vai se reunir na próxima terça-feira (9) para definir um nome para concorrer à Presidência da Casa. Sobre Eduardo Cunha, Vicentinho foi irônico e disse que há “nomes melhores” para o cargo.
“Não quer dizer que será um nome imposto, porque há outros partidos com os quais caminharemos juntos”, afirmou o líder do PT.
O PSB também anunciou que o partido terá candidato a presidente da Câmara. “A disputa entre PT e PMDB é uma velha e antiga disputa aqui dentro da Câmara, mas ambos representam os interesses do governo”, disse o líder do PSB, deputado Beto Albuquerque (RS),
“Estamos conversando com vários partidos – PCdoB, PSDB, PPS. São partidos com quais podemos travar discussões sobre uma terceira via na Câmara, que não seja presa nem à candidatura do PT nem mesmo à do PMDB”, completou Albuquerque.
Na terça-feira (2), Cunha lançou oficialmente a sua candidatura à Presidência da Câmara com discurso de independência. Cunha afirmou que sua candidatura não será “nem de oposição nem de submissão”. “A candidatura vai defender o direito do governo de governabilidade, porque ele foi eleito para isso, mas vai ser respeitosa com o direito da oposição para fazer o seu papel de debate, como prevê o Regimento”, afirmou.
A presidente da República, Dilma Rousseff, não quer ter de negociar com Eduardo Cunha a votação de cada projeto de interesse do governo. O PMDB adora o conflito, que significa mais poder para o partido.
Eduardo Cunha já prometeu aumento de salários para os parlamentares. Tipo de argumento que costuma funcionar no Congresso.

Matheus Leitão

Matheus Leitão é jornalista há 15 anos. Em sua carreira, passou pelas redações do Correio Braziliense, revista Época, portal iG e Folha de S.Paulo. Matheus recebeu o Prêmio Esso por duas vezes, o Troféu Barbosa Lima Sobrinho -- além de menção honrosa no Vladimir Herzog. Entre 2011 e 2012, esteve na Universidade de Berkeley, na California, como Visiting Scholar.

    Comente

    O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.