Dieta mediterrânea prolonga a vida, garante pesquisa britânica

04/12/2014 22h01m. Atualizado em 10/12/2014 22h57m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

Pesquisa publicada pelo “British Medical Journal” garante que a chamada dieta mediterrânea ajuda a reverter o processo de envelhecimento e evitar doenças mortais. Frutas, vegetais, nozes, legumes, azeite, além de um copo de vinho no jantar, precisam ser consumidos em conjunto para ter os efeitos de longevidade desejados.
Separados, os alimentos não tiveram resultados significativos, de acordo com a pesquisa. Ou seja, não adianta achar que, se beber o copo de vinho, já terá uma vida mais longa garantida com bases científicas.
De acordo com o relatório, a dieta mediterrânea diminui os danos aos cromossomos ligados ao envelhecimento. Os cromossomos são protegidos por telômeros, que funcionam de forma semelhante à proteção das pontas de plástico no final de cadarços, que os reguardam de desgastes. Mas, com o decorrer da vida, os telômeros diminuem em tamanho afetando de forma negativa a expectativa de vida e o risco do surgimento de doenças relacionadas com a idade.
Obesidade, tabagismo e bebidas açucaradas também são fatores de encurtamento dos telômeros. Mas, de acordo com o estudo, a dieta mediterrânea pode reverter o encurtamento, com as funções antioxidante e antiinflamatórias dos alimentos ingeridos em conjunto.

Matheus Leitão

Matheus Leitão é jornalista há 15 anos. Em sua carreira, passou pelas redações do Correio Braziliense, revista Época, portal iG e Folha de S.Paulo. Matheus recebeu o Prêmio Esso por duas vezes, o Troféu Barbosa Lima Sobrinho -- além de menção honrosa no Vladimir Herzog. Entre 2011 e 2012, esteve na Universidade de Berkeley, na California, como Visiting Scholar.

    Comente

    O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.