Reino Unido vai pagar dívida da Primeira Guerra Mundial e outras de 300 anos atrás

04/12/2014 05h13m. Atualizado em 10/12/2014 22h58m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

O governo britânico vai fazer uma liquidação geral das dívidas históricas. Foi o que anunciou o ministro do Tesouro, George Osborne, segundo o jornal Financial Times desta quarta-feira (3). As mais recentes, são de 1917. Sim, é isso, ano da revolução russa, mas não tem a ver com o ouro de Moscou. São dívidas da primeira guerra. O governo de Londres lançou títulos chamados “Empréstimos de guerra” e agora em março eles serão resgatados por 1,9 bilhão de libras (aproximadamente R$ 7.6 bilhão). Eram bônus perpétuos, ou seja, pagariam juros eternamente.
Mas se você achou que essa dívida de quase um século é velha, é que não viu a outra que será resgatada. É de 1720, custa 218 milhões de libras (R$ 872 milhões) e encerra os efeitos do estouro da bolha da South Sea Company.
É uma velha história. A Companhia dos mares do sul lançou ações ao público, tendo como garantia títulos do Tesouro britânico no valor de 10 milhões de libras, em troca do monopólio do comércio nos mares do sul, foi um enorme sucesso e vendeu montanhas de ações. Foi tamanho o sucesso que virou uma bolha. E como toda bolha, estoura um dia. Mas o governo britânico continuou com a dívida das garantias dadas, que agora vai finalmente salda-las.
Enfim, Osborne está mesmo decidido a limpar as gavetas londrinas. Ele disse que esse é um “momento de orgulho” para os britânicos e que prova “nossa credibilidade fiscal”. Nossa, quer dizer a deles, bem entendido.

Matheus Leitão

Matheus Leitão é jornalista há 15 anos. Em sua carreira, passou pelas redações do Correio Braziliense, revista Época, portal iG e Folha de S.Paulo. Matheus recebeu o Prêmio Esso por duas vezes, o Troféu Barbosa Lima Sobrinho -- além de menção honrosa no Vladimir Herzog. Entre 2011 e 2012, esteve na Universidade de Berkeley, na California, como Visiting Scholar.

    Comente

    O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.