Paulo Roberto Costa admite propina a 35 políticos: destaque dos jornais nesta quarta-feira (03/12/14)

03/12/2014 07h58m. Atualizado em 03/12/2014 13h03m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

Paulo Roberto Costa, ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, diz que são 35 os políticos envolvidos no escândalo de corrupção na estatal. Ele teria mencionado esse número, segundo o Globo, aos congressistas. Mas na CPI, onde foi acareado com o ex-diretor Nestor Cerveró ele disse “dezenas”. Segundo ele, os desvios ocorrem também em obras como rodovias, ferrovias, portos, aeroportos e hidrelétricas. Ele disse ter enviado um email em que relatava problemas na estatal em 2009 “para a ministra da Casa Civil da época”. A notícia dessa informação à Casa Civil está também na Folha, mas no texto do noticiário interno. Outra notícia do petrolão: O ministro Teori Zavascki revogou a prisão preventiva de outro ex-diretor Renato Duque.
No Estado de S.Paulo a foto de cima, na primeira, é do tumulto no Congresso. Na versão digital várias fotos da confusão que houve quando se tentou esvaziar as galerias para votar a meta fiscal. A manchete no entanto é “Costa diz que desvio de verba em estatais é generalizado”. O ex-diretor de abastecimento da Petrobras confirmou que os políticos recebem propina, diz que todas as empresas pública têm desvios. E disse que em outros governos também só era possível ocupar posto na estatal com apoio político. Cerveró negou ter conhecimento da corrupção, mas os dois ex-colegas concordaram que a compra de Pasadena foi decisão do conselho de administração.
Outra notícia do Estado de S.Paulo é que governo quer restringir pensões de viúvas ricas e quer estabelecer um tempo mínimo de casamento para dar direito ao benefício pago pela Previdência.
A Folha também abre o noticiário com o depoimento de Paulo Roberto Costa. “Delator da Petrobras diz ter entregado 40 políticos”. E conta que ele disse a parlamentares após a sessão que “de 35 a 40 políticos” foram citados, “do PP, PMDB e PT”. Na CPI ele disse que ficou “enojado” com o que ocorria. O confronto que adiou a votação da lei fiscal também rendeu a foto da capa.
A presidente Dilma enviou uma carta que foi lida pelo presidente do BNDES, numa reunião convocada pelo banco americano JPMorgan, em que avisa que cortará gastos para reduzir a dívida bruta. A presidente sempre se recusou a usar esse conceito de dívida. Esta é mais uma mudança que faz em relação ao que dizia na campanha.
O Valor trata da crise elétrica. “Dinheiro do socorro acaba e elétricas terão que usar caixa”. Os R$ 17,8 bilhões emprestados às empresas distribuidoras para pagar pela luz que compram para distribuir acabaram dois meses antes do fim do ano, informa o jornal de economia.
Também conta na primeira que a Odebrecht entrou na Justiça para receber US$ 74 milhões que seriam devidos a ela pela Petrobras por obras feitas em outros países.

Matheus Leitão

Matheus Leitão é jornalista há 15 anos. Em sua carreira, passou pelas redações do Correio Braziliense, revista Época, portal iG e Folha de S.Paulo. Matheus recebeu o Prêmio Esso por duas vezes, o Troféu Barbosa Lima Sobrinho -- além de menção honrosa no Vladimir Herzog. Entre 2011 e 2012, esteve na Universidade de Berkeley, na California, como Visiting Scholar.

    Comente

    O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.