Dois bilhões estão expostos ao tráfico de pessoas, diz ONU

25/11/2014 14h36m. Atualizado em 25/11/2014 16h55m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

De acordo com o Relatório Global 2014 sobre Tráfico de Pessoas, divulgado nesta segunda-feira (24), em Viena, mais de dois bilhões no mundo podem ser vítimas do crime porque os países onde vivem não seguem o protocolo das Nações Unidas. Nove países carecem totalmente de legislação sobre o tema e outros dezoito contam apenas com leis parciais.
Outro dado alarmante feito pelo escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime é o aumento no índice de crianças vítimas de tráfico, que agora corresponde a quase um terço do número global. Entre 2010 a 2012, houve acréscimo de 5% na incidência entre crianças em relação aos anos de 2007 a 2010. As meninas são mais atingidas por esse tipo de violência do que os meninos: elas representaram 21% e eles 12% do total de vítimas, em 2012.
Já as mulheres adultas são as vítimas mais frequentes do tráfico. Consideradas todas as idades, elas equivalem a 70% das vítimas. Em relação aos responsáveis pelo crime, a maioria é homem — 72% dos traficantes condenados. De acordo com o documento, a maior parte das pessoas é vítima de exploração sexual, seguido do trabalho forçado.
A CPI do Tráfico de Pessoas que funcionou na Câmara dos Deputados em 2013 concluiu que o Brasil está entre os dez países com mais vítimas do tráfico internacional de pessoas.
O Congresso identificou a ocorrência de exploração de pessoas em diversas áreas: atletas de futebol, aspirantes a modelo e garotos de programas.

Matheus Leitão

Matheus Leitão é jornalista há 15 anos. Em sua carreira, passou pelas redações do Correio Braziliense, revista Época, portal iG e Folha de S.Paulo. Matheus recebeu o Prêmio Esso por duas vezes, o Troféu Barbosa Lima Sobrinho -- além de menção honrosa no Vladimir Herzog. Entre 2011 e 2012, esteve na Universidade de Berkeley, na California, como Visiting Scholar.

    Comente

    O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.