Ministros não confirmados e o escândalo da Petrobras dividem destaques dos jornais deste sábado (22)

22/11/2014 09h02m. Atualizado em 22/11/2014 10h45m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

A indicação, não confirmada, de nomes para o Ministério disputou espaço nas primeiras páginas com o escândalo da Petrobras neste sábado (22). Foi assim no Globo que mostra a estranha operação de sexta (21) do governo: “Planalto vaza nomes, bolsa sobe, mas Dilma não confirma”.
O que fez a Bovespa subir foi a escolha de Joaquim Levy para o Ministério da Fazenda. A equipe se completaria com Nelson Barbosa no Planejamento e Alexandre Tombini no Banco Central.
Segundo o Globo, Almir Barbassa, diretor financeiro da Petrobras, em depoimento à Comissão interna da empresa disse que, a área técnica, contraria a compra de Pasadena, a apelidou de “ruivinha” de tão enferrujada estava.
Para o Estadão: “Dilma escolhe Levy para a Fazenda, mas adia anúncio” e pelo nome “Ibovespa teve maior alta em três anos”. O jornal paulista destaca também o depoimento de Fernando Baiano, apontado como operador do PMDB. De acordo com a publicação, Baiano afirmou que intermediou projetos de US$ 20 milhões e atuava desde 2000, no governo Fernando Henrique. O ministro da Justiça disse que corrupção no Brasil é cultural.
A Folha optou por um título mais direto: “Dilma convida Joaquim Levy para o Ministério da Fazenda” e em chamada menor diz que a Procuradoria pede veto às empreiteiras.
Os jornais falam também dos outros quase ministros: Armando Monteiro que já foi CNI para o Desenvolvimento e Katia Abreu da CNA para a agricultura. Kátia tem resistências dentro do PMDB, segundo o Globo. Mas pelo blog de Miriam Leitão, a resistência ao nome da senadora vem do PT. Já sobre Levy há várias notas e análises sustentando que ele tem pensamento muito diferente dos outros integrantes do governo na área econômico, “>como foi destacado aqui neste blog desde nesta sexta (21).

Matheus Leitão

Matheus Leitão é jornalista há 15 anos. Em sua carreira, passou pelas redações do Correio Braziliense, revista Época, portal iG e Folha de S.Paulo. Matheus recebeu o Prêmio Esso por duas vezes, o Troféu Barbosa Lima Sobrinho -- além de menção honrosa no Vladimir Herzog. Entre 2011 e 2012, esteve na Universidade de Berkeley, na California, como Visiting Scholar.

    Comente

    O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.