Um terço dos jovens vive abaixo da pobreza no Mundo, diz ONU

18/11/2014 17h03m. Atualizado em 18/11/2014 17h03m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

Mais de 500 milhões de jovens entre 10 e 24 anos, o que corresponde a um terço da população mundial nesta faixa etária, vivem abaixo da linha de pobreza, com menos de dois dólares por dia. Os dados estão no relatório Situação da População Mundial em 2014, divulgado pelo Fundo de População das Nações Unidas nesta terça-feira (18).

O Fundo de População incentiva os países em desenvolvimento a investirem no potencial produtivo de seus jovens, mas como “potenciais líderes e arquitetos de uma transformação histórica no bem-estar humano”. Para a ONU, esses esforços podem significar avanços econômicos e sociais expressivos.

O relatório prevê dificuldades futuras para o crescimento de países que negligenciarem os seus jovens: “Os países que não cuidarem das necessidades de seus jovens provavelmente terão, a partir da segunda metade deste século, taxas de fecundidade mais elevadas e uma grande parcela de pessoas jovens e dependentes. Uma força de trabalho pouco qualificada manterá as economias presas em atividades de baixo valor agregado e com baixas taxas de crescimento”.

Segundo o estudo, os principais problemas que afetam os jovens são o acesso à instrução formal, a baixa qualidade do ensino e falta de empregos apropriados. O fundo calcula que, em regiões em desenvolvimento, cerca de 60% dos jovens não estudam nem trabalham no mercado formal. Há ainda uma grande lacuna digital a separar a juventude de diversos países. Além disso, a ausência de informação e serviços adequados para garantir o acesso dos adolescentes à orientação e aos cuidados sobre a saúde sexual.

No Brasil, a maior parte da população se concentra entre os que estão no auge da capacidade de aprendizado e os que estão no topo da capacidade de trabalho com alta produtividade. Se não tiverem boa educação e bons empregos, perderemos a “janela demográfica” que aumenta o potencial de aumento do bem-estar e não dura para sempre.

Com informações da EBC

Matheus Leitão

Matheus Leitão é jornalista há 15 anos. Em sua carreira, passou pelas redações do Correio Braziliense, revista Época, portal iG e Folha de S.Paulo. Matheus recebeu o Prêmio Esso por duas vezes, o Troféu Barbosa Lima Sobrinho -- além de menção honrosa no Vladimir Herzog. Entre 2011 e 2012, esteve na Universidade de Berkeley, na California, como Visiting Scholar.

    Comente

    O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.