Jornais dão destaque ao escândalo da Petrobras nesta terça (18)

18/11/2014 08h51m. Atualizado em 18/11/2014 16h48m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

Em dia de muitas notícias sobre o escândalo Petrobrás, os jornais escolheram pontos diferentes para por na manchete desta terça-feira (18). No Globo, a notícia de destaque é a decisão do conselho de administração da Petrobras de pedir ao Ministério Público Federal a abertura de ação civil pública contra o ex-presidente José Sérgio Gabrielli. Ele faz parte do secretariado do governo de Jacques Wagner na Bahia. Diz ainda na primeira página que a presidente Graça Foster sabia da propina da empresa holandesa há “meses” e a informação, dita na coletiva, pelo diretor financeiro Almir Barbassa de que a estatal tem caixa para seis meses. A empresa, como se sabe, não pode agora pegar empréstimos e corre riscos de que seus títulos no exterior sejam cobrados antecipadamente, caso não apresente o balanço até o fim do ano.
O Valor ressalta que a Petrobrás terá que republicar os balanços. Como Barbassa informou que os valores de alguns ativos serão recalculados para se tirar o valor do sobrepreço, isso significa que o passado vai mudar. Segundo fontes ouvidas pelo Valor isso tem que ser distribuído nos últimos balanços. As ações caíram ontem 5%. As da Eletrobrás 9%, porque ontem a elétrica admitiu que não tem dinheiro para distribuir dividendos.
O Estadão puxou o noticiário do escândalo pela informação de que Paulo Roberto Costa e Alberto Yousseff disseram que propinas foram pagas também ao atual diretor de abastecimento José Carlos Cosenza. O diretor nega. Ele estava ontem ao lado de Graça Foster dando entrevista sobre a confusão do balanço ainda não divulgado.
A Folha deu como manchete a informação de que o diretor da Galvão Engenharia Erton Medeiros Fonseca diz que pagou propina ao Partido Progressista. Costa e Yousseff teriam dito a ele que a empresa seria prejudicada se não fizesse o repasse.

Matheus Leitão

Matheus Leitão é jornalista há 15 anos. Em sua carreira, passou pelas redações do Correio Braziliense, revista Época, portal iG e Folha de S.Paulo. Matheus recebeu o Prêmio Esso por duas vezes, o Troféu Barbosa Lima Sobrinho -- além de menção honrosa no Vladimir Herzog. Entre 2011 e 2012, esteve na Universidade de Berkeley, na California, como Visiting Scholar.

    Comente

    O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.