Aquecimento global: com outubro vermelho, será 2014 o ano mais quente da história?

16/11/2014 18h30m. Atualizado em 10/12/2014 23h31m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

Outubro vermelho. A expressão já foi até nome de livro e filme, inspirado em submarino soviético na Guerra Fria. Todavia, agora a expressão voltou apenas pelo calor mesmo. O último outubro foi o mês mais quente da história, considerando-se a temperatura média global.
Reportagem publicada no site de notícias Mashable afirma que onda de calor foi alimentada, inclusive, por recorde de temperaturas oceânicas quentes.
Para publicar a história, o jornalista Andrew Freedman consultou três fontes independentes incluindo a Nasa, a Agência Espacial Americana.
As outras duas foram a respeitada Agência Meteorológica do Japão, que tem dados do início do século passado, e a Universidade do Alabama, que registra desde 1979. Freedman lembra que Setembro já havia sido registrado como o mês mais quente, antes do último outubro ferver.
Segundo o Mashable, os cientistas acreditam que o aumento do calor tenha sido causado por uma combinação de fatores artificiais e naturais, que durou cerca de 15 anos. Um desses fatores foi o resfriamento das águas do oceano em partes do Pacífico.
No Brasil, outubro teve recordes históricos de temperatura
em várias cidades brasileiras. Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Alegre e Campo Grande tiveram forte aumento de temperatura. Desde 1943, existem medidas mais sistemáticas no Brasil.
O fato é: estamos passando por uma onda de calor violenta. A somatória de análises tem levado cientistas do mundo todo a acreditar que o ano de 2014 poderá ser o mais quente da história.
Saberemos em 45 dias, o que falta para o ano acabar.

Matheus Leitão

Matheus Leitão é jornalista há 15 anos. Em sua carreira, passou pelas redações do Correio Braziliense, revista Época, portal iG e Folha de S.Paulo. Matheus recebeu o Prêmio Esso por duas vezes, o Troféu Barbosa Lima Sobrinho -- além de menção honrosa no Vladimir Herzog. Entre 2011 e 2012, esteve na Universidade de Berkeley, na California, como Visiting Scholar.

    Comente

    O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.