Escândalo na Petrobras domina jornais: Propinas de R$ 200 milhões só de uma empresa; aditivos dados 5 anos depois

16/11/2014 08h42m. Atualizado em 16/11/2014 18h30m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

Os grandes jornais de hoje têm uma unanimidade. As manchetes são todas da operação Lava Jato. Por muito tempo é esse tema que estará nas primeiras páginas porque a sonda de perfuração do Ministério Público e do Polícia Federal tem muito a extrair desse poço ultra-profundo da corrupção brasileira.
Segundo o Estadão, os delatores de uma única empresa, a Toyo Setal, Julio Camargo e Augusto Ribeiro, afirmaram que foram repassados R$ 200 milhões ao ex-diretor de serviços da Petrobrás Renato Duque e ao lobista Fernando Soares para obter contratos superfaturados, dinheiro teria sido para o PT e o PMDB.
O Globo conta a história de uma termelétrica no Rio Grande do Norte – Termoaçu – construída pela Camargo Correa, inaugurado pelo ex-presidente Lula, pela qual a Petrobras continuou pagando aditivos cinco anos após ser concluída. A empreiteira ganhou R$ 139 milhões da Petrobrás em 2013 de uma empresa concluída em 2008 com erros de engenharia. A sócia da Petrobras no negócio, NeoEnergia, contestou o pagamento.
A Folha de S. Paulo puxou o noticiário pela declaração do ministro José Eduardo Cardozo de que a apuração da operação Lava Jato não pode ser um terceiro turno. O ministro acusa a oposição e diz que “o resultado das urnas já foi dado”. Nos jornais de domingo sempre há uma diversidade de manchetes, porque são preparadas reportagens especiais durante a semana, exatamente porque sábado não é dia de grandes acontecimentos. Mas desta vez, no sábado, 15 de novembro, em plena madrugada chegaram a Curitiba os empresários presos e durante o dia dois executivos da Camargo Correa que estavam sendo dados como foragidos se apresentaram `a Polícia Federal. Mesmo tratando do mesmo assunto, o Globo e o Estadão dão fatos exclusivos. A declaração de Cardozo que a Folha destacou está também em outros jornais. Segundo a FSP a presidente Dilma disse que esse escândalo mudará “o Brasil para sempre”.

Matheus Leitão

Matheus Leitão é jornalista há 15 anos. Em sua carreira, passou pelas redações do Correio Braziliense, revista Época, portal iG e Folha de S.Paulo. Matheus recebeu o Prêmio Esso por duas vezes, o Troféu Barbosa Lima Sobrinho -- além de menção honrosa no Vladimir Herzog. Entre 2011 e 2012, esteve na Universidade de Berkeley, na California, como Visiting Scholar.

    Comente

    O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.