Dilma sobre corrupção após prisões: “Nem toda a Petrobras, nem todas as empreiteiras”

16/11/2014 08h39m. Atualizado em 16/11/2014 08h39m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

Em Brisbane, na Austrália, onde participa do encontro do G20, a presidente da República, Dilma Rousseff defendeu a Petrobras, durante entrevista coletiva depois do almoço de encerramento da cúpula, e avaliou que corrupção está focada em “pessoas” que atuaram na estatal e nas empreiteiras e não nas empresas.
“Não se pode pegar a Petrobras e condenar a empresa. O que nós temos de condenar são pessoas. Pessoas dos dois lados, os corruptos e os corruptores. […] Nem toda a Petrobras, nem todas as empreiteiras. Eu não acho que também dá para demonizar as empreiteiras desse país. São grandes empresas e se A,B, C ou D, praticaram mal-feitos, atos de corrupção ou de corromper, eu acho que eles pagarão por isso”, avaliou a presidente, em sua primeira fala sobre as prisões da última sexta-feira (14), que envolveu executivo das maiores construtoras do país e o ex-diretor de Serviços da Petrobras, Renato Duque.
Dilma disse que contratos das empreiteiras com outros órgãos públicos não serão revistos.
“Não vou sair por aí procurando delitos”, disse a presidente.
A presidente repete a mesma conversa da campanha. Ninguém está atacando a Petrobras em si, mas apurando e divulgando o que houve de errado dentro da companhia.

Matheus Leitão

Matheus Leitão é jornalista há 15 anos. Em sua carreira, passou pelas redações do Correio Braziliense, revista Época, portal iG e Folha de S.Paulo. Matheus recebeu o Prêmio Esso por duas vezes, o Troféu Barbosa Lima Sobrinho -- além de menção honrosa no Vladimir Herzog. Entre 2011 e 2012, esteve na Universidade de Berkeley, na California, como Visiting Scholar.

    Comente

    O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.