Com PT ou sem PT, Marta quer ser candidata a prefeita de SP em 2016

12/11/2014 14h46m. Atualizado em 13/11/2014 23h14m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

Marta Suplicy entregou a carta de demissão do Ministério da Cultura nesta terça-feira (11) e já tem plano bem definido para o futuro: vai ser candidata à prefeitura da cidade de São Paulo em 2016. Marta Suplicy já procurou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para defender sua candidatura em 2016 no lugar da tentativa de reeleição do prefeito Fernando Haddad pelo PT. Mas Lula teria despistado Marta, lembrando-a que ele mesmo abriu mão de ser candidato em favor da reeleição de Dilma. No governo, a forma como Marta saiu deixou o Planalto irritado.
Se não for possível a candidatura de Marta pelo PT, ela já vislumbra outra possibilidade: filiar-se ao PMDB. O vice-presidente da República e presidente do PMDB, Michel Temer, comentou ao Estadão sobre o assunto. Temer disse que não sabe ainda se Marta pode se filiar ao PMDB. O blog apurou que Marta terá uma reunião com os caciques peemedebistas ainda esta semana. Temer e o marido de Marta, o empresário Márcio Toledo, são amigos.
Marta Suplicy volta ao Senado Federal para cumprir o restante de seu mandato. Vai ter como colega, a partir de 2015, Jose Serra, que pode vir a ser seu rival nas eleições de 2016.

Matheus Leitão

Matheus Leitão é jornalista há 15 anos. Em sua carreira, passou pelas redações do Correio Braziliense, revista Época, portal iG e Folha de S.Paulo. Matheus recebeu o Prêmio Esso por duas vezes, o Troféu Barbosa Lima Sobrinho -- além de menção honrosa no Vladimir Herzog. Entre 2011 e 2012, esteve na Universidade de Berkeley, na California, como Visiting Scholar.

1 Comentário para "Com PT ou sem PT, Marta quer ser candidata a prefeita de SP em 2016"

  • Carlos Meire 12-11-2014 (4:59 pm)

    Martaxa herege,da curtura; a traira que deixou o senado por um ministerio e blasfemou quando quis se apropriar do Cristo Redentor, construido pela contribuição dos católico e não com verbas publicas, deveria pegar o banquinho e sair de fininho, como o ex-marido.O barco esta a deriva e forçou a situação da demissão para não perder a chace de se abrigar no senado.

Comente

O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.