PMDB de Alagoas é acusado de receber propina de esquema na Transpetro

11/11/2014 15h56m. Atualizado em 11/11/2014 19h48m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

Um total de R$ 400 mil. Esse teria sido o valor recebido em 2010 pelo diretório do PMDB em Alagoas de um grupo empresarial do Pará acusado de fraudar licitação da Transpetro, segundo o jornal O Estado de S.Paulo.

O pagamento veio três meses depois do esquema, que supostamente privilegiou as empresas a vencer a licitação de R$ 432 milhões na subsidiária da Petrobras.

O senador Renan Calheiros (PMDB-AL), atual presidente do Senado, é apontado pelo jornal como o principal beneficiado. O diretório do partido em Alagoas, que recebeu a doação, foi o principal financiador de sua campanha em 2010.

Presidente da Transpetro na época, o ex-Senador Sérgio Machado deixou o comando da empresa na semana passada. Ele foi indicado especialmente para o cargo, em 2003, por Renan Calheiros. Teve que sair após ser citado no depoimento do ex-diretor da Petrobrás Paulo Roberto Costa como um dos beneficiários do esquema de corrupção da estatal.

No início da tarde Renan Calheiros soltou uma nota à imprensa:

Lendo a matéria intitulada “Empresa suspeita doou para PMDB de Renan” na edição deste 11 de novembro de 2014, forço-me a algumas considerações óbvias:

1) A mencionada empresa venceu um processo licitatório pelo menor preço. É a lei;

2) O contrato foi auditado pelo Tribunal de Contas da União e nenhuma irregularidade foi apontada. Novamente é a Lei;

3) A referida empresa fez múltiplas doações eleitorais e elas estão declaradas. Mais uma vez, como manda a Lei.

Diante da clareza das informações, veiculadas para reacender suspeição, estamos diante de uma denúncia da legalidade. Não é cabível outra interpretação. Tudo como manda a Lei.

Senador Renan Calheiros

Matheus Leitão

Matheus Leitão é jornalista há 15 anos. Em sua carreira, passou pelas redações do Correio Braziliense, revista Época, portal iG e Folha de S.Paulo. Matheus recebeu o Prêmio Esso por duas vezes, o Troféu Barbosa Lima Sobrinho -- além de menção honrosa no Vladimir Herzog. Entre 2011 e 2012, esteve na Universidade de Berkeley, na California, como Visiting Scholar.

    Comente

    O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.