Doleiro Youssef liga Mensalão a escandâlo da Petrobras

11/11/2014 08h59m. Atualizado em 11/11/2014 09h09m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

Em delação premiada, o doleiro Alberto Yousseff, acusado participar de desvio de dinheiro na operação Lava Jato, afirmou existir um elo entre o esquema de corrupção do Petrolão com um mais antigo, o mensalão do PT, no primeiro mandato do ex-presidente Lula.
Segundo o jornal o Estado de S.Paulo, Yousseff mantinha uma conta corrente conjunta com o ex-deputado José Janene (PP-PR), que foi acusado em 2005 de distribuir o dinheiro oriundo do mensalão para a bancada de seu partido através de seu assessor.
Morto em 2010, o jornal explica que Yousseff foi responsável pela indicação de Paulo Roberto Costa para a diretoria de Abastecimento da estatal petrolífera, em 2004.
Na colaboração ao esquema atual, Yousseff teria declarado que, por orientação de Janene, repassava valores a “agentes públicos” e “agentes políticos” dentro da engenharia do esquema.
O Estadão traz até um diálogo entre o juiz Sérgio Moro, responsável pela Lava Jato, e o doleiro sobre o dinheiro ilícito que jorrava no esquema. Segundo Yousseff, era “comissionamento de empreiteiras”. O juiz rebate: “Decorrente de contratos com a administração pública, em geral propinas?” Youssef confirma: “Sim senhor, Excelência.”
Os nomes dos políticos envolvidos no esquema estão na delação que ainda será homologada pela justiça.

Matheus Leitão

Matheus Leitão é jornalista há 15 anos. Em sua carreira, passou pelas redações do Correio Braziliense, revista Época, portal iG e Folha de S.Paulo. Matheus recebeu o Prêmio Esso por duas vezes, o Troféu Barbosa Lima Sobrinho -- além de menção honrosa no Vladimir Herzog. Entre 2011 e 2012, esteve na Universidade de Berkeley, na California, como Visiting Scholar.

    Comente

    O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.