Água da chuva tem de ser mais bem aproveitada, defende arquiteto da Make it Right

09/11/2014 17h47m. Atualizado em 10/12/2014 23h43m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

De acordo com Tim Duggan, arquiteto da ONG Make it Right, fundada pelo ator Brad Pitt, a solução para a falta de água nas metrópoles pode estar na forma de captar a água da chuva. “Os centros urbanos são meros consumidores de água, com participação mínima na captação. A água das chuvas escorre pelo ralo, descartada como se fosse lixo”, reclama Tim Duggan.
Em entrevista à revista Época deste sábado (9), Tim Duggan explica que cada gota de chuva pode ser aproveitada, se houver uma infraestrutura adequada. Um dos exemplos das soluções usadas pela ONG Make it Right está na reconstrução de New Orleans, quando foram feitas ruas e calçadas com concreto poroso, capaz de absorver a água da chuva. O piso filtra a água da chuva e ela é reaproveitada nos jardins e reservatórios.
Para Tim Duggan, as grandes metrópoles estão pagando o preço por não investirem adequadamente na captação de água chuva e acabam desperdiçando a maior parte da água. Jardins Pluviais, biorreservatórios e cisternas são soluções mais modernas e eficientes para captar a água da chuva do que as represas, explicou.
“As cidades exploram recursos hídricos da mesma maneira há mais de 100 anos. […] Água é como petróleo: um recurso natural valioso, por muito tempo desprezado. Se não mudarmos nossos hábitos e a infraestrutura das cidades, veremos conflitos globais pela posse d’água no próximo século”, disse à revista.
Se as grandes cidades do Sudeste brasileiro fizessem adequado aproveitamento da água da chuva, minimizaria os efeitos da seca que estão enfrentando. O caso mais grave é o de São Paulo, com o sistema cantareira (foto) praticamente esgotado.

Matheus Leitão

Matheus Leitão é jornalista há 15 anos. Em sua carreira, passou pelas redações do Correio Braziliense, revista Época, portal iG e Folha de S.Paulo. Matheus recebeu o Prêmio Esso por duas vezes, o Troféu Barbosa Lima Sobrinho -- além de menção honrosa no Vladimir Herzog. Entre 2011 e 2012, esteve na Universidade de Berkeley, na California, como Visiting Scholar.

    Comente

    O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.