PMDB pode barrar indicação do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, para o Supremo

08/11/2014 18h51m. Atualizado em 10/11/2014 13h26m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

Circula nos bastidores da política a informação de que um dos nomes preferidos da presidente da República, Dilma Rousseff, para ocupar a vaga deixada por Joaquim Barbosa no Supremo Tribunal Federal é o do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo. Mas o PMDB já teria avisado ao Planalto: se indicar Cardozo, o Senado vai barrar a indicação.
O PMDB reivindica parte da cota das 5 vagas que abrirão no STF até 2018. Se a presidente não ceder, dificilmente conseguirá ver os nomes escolhidos exclusivamente pelo PT passarem na sabatina do Senado. A Constituição Federal confere ao Senado a competência de aprovar ou reprovar as indicações da Presidência da República.
De acordo com informações da revista Veja deste sábado (8), o senador Romero Jucá (PMDB-RR) foi um dos que não gostou da ideia de ter Cardozo na corte: “É um nome muito político. Não é o momento disso agora”. O PMDB do Senado – entende-se José Sarney, Renan Calheiros, Eunício Oliveira, Romero Jucá, Eduardo Braga – é um grupo muito próximo ao ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, que nunca aprovou a proximidade de Cardozo com Dilma.
Com a expectativa de Dilma Rousseff indicar mais cinco ministros com a aposentadoria de Celso de Mello, Marco Aurélio Mello, Ricardo Lewandowski, Teori Zavascki e Rosa Weber e mais a vaga aberta de Barbosa, os senadores se articulam para participarem mais ativamente do processo de escolha de autoridades.
Todavia, no últimos anos, o Senado fez da sabatina mais um debate entre amigos do que uma seleção criteriosa de competência.

Matheus Leitão

Matheus Leitão é jornalista há 15 anos. Em sua carreira, passou pelas redações do Correio Braziliense, revista Época, portal iG e Folha de S.Paulo. Matheus recebeu o Prêmio Esso por duas vezes, o Troféu Barbosa Lima Sobrinho -- além de menção honrosa no Vladimir Herzog. Entre 2011 e 2012, esteve na Universidade de Berkeley, na California, como Visiting Scholar.

    Comente

    O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.