Turbulência nos vôos não é “nem de longe” maior preocupação de pilotos

04/11/2014 16h36m. Atualizado em 10/12/2014 19h29m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

O piloto de avião comercial Patrick Smith, 48 anos, criou um blog para contar tudo sobre forte turbulências durante um voo e tranquilizar os passageiros.
Patrick Smith revelou, no blog, que a turbulência “é, de longe, a preocupação número um dos passageiros nervosos”. Smith diz que os desvios de rota para evitar o desconforto no ar são feitos mais por uma questão de acalmar os passageiros, do que pelo risco à segurança do voo.
Explicando sobre o que acontece com a aeronave durante um episódio de turbulência, o comandante Smith, afirmou que os aviões são projetados com o que chamamos de estabilidade positiva. Segundo ele, tudo o que um piloto não pode fazer é lutar contra a turbulência.
Smith diz que se ela causar a subida do avião, não adianta tentar fazê-lo descer acionando os controles, você apenas navega pelas ondas e espera a “marola” passar.
O piloto ressalta que, em seus mais de 20 anos de voo, não se lembra de um único acidente causado por turbulência. “Aviões são projetados para suportar uma quantidade extrema de estresse e a quantidade de turbulência necessária para, por exemplo, arrancar uma asa, está muito além de qualquer coisa que você já experimentou”, disse.
Patrick Smith teve sua primeira lição de vôo aos quatorze anos. Seu primeiro trabalho com uma companhia aérea veio em 1990 e, desde então, pilotou jatos de carga e de passageiros em rotas domésticas e internacionais. Ele escreveu o livro Cockpit Confidential, a venda nas livrarias brasileiras.

Matheus Leitão

Matheus Leitão é jornalista há 15 anos. Em sua carreira, passou pelas redações do Correio Braziliense, revista Época, portal iG e Folha de S.Paulo. Matheus recebeu o Prêmio Esso por duas vezes, o Troféu Barbosa Lima Sobrinho -- além de menção honrosa no Vladimir Herzog. Entre 2011 e 2012, esteve na Universidade de Berkeley, na California, como Visiting Scholar.

    Comente

    O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.