Relatório da ONU pede fim de combustíveis de petróleo, gás e carvão até 2100

03/11/2014 08h21m. Atualizado em 10/12/2014 23h47m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

Da ONU vem a informação de que temos, agora, que salvar o século XXII. Quem pensa que isso é conversa que pode ficar para depois, deve dar uma lida nos textos sobre o relatório de mudanças climáticas. No clima, é preciso fazer algo urgente agora em favor das futuras gerações.

O relatório aprovado pelo Grupo Intergovernamental de Especialistas em Mudança Climática da ONU (IPCC), neste domingo (2), em Copenhague, defende o fim do uso de combustíveis fósseis até 2100 e cortes substanciais do uso até 2050.

Combustíveis fósseis são os responsáveis pelo emissões de gases de efeito estufa que aquecem o planeta.O relatório é claro: o culpado pela elevação da temperatura da Terra é do homem.

Embora o relatório do IPCC não estipule metas, o objetivo da ONU é limitar a elevação da temperatura da Terra em 2ºC até 2100. De acordo com o documento, há viabilidade econômica para evitar que isso ocorra: o impacto representaria o comprometimento de apenas 0,06% a cada ano no PIB global.

O secretário-geral Ban Ki-moon, descreveu o relatório do IPCC como a avaliação mais abrangente das mudanças climáticas já elaborado e pede urgência e mobilização mundial pelo combate aos gases de efeito estufa. “Os líderes devem agir. O tempo não está do nosso lado”, disse ele.

Em 2015, representantes dos principais países devem se reunir na Conferência das Nações Unidas das Partes sobre Mudança Climática (COP21) de Paris. A esperança é que finalmente a assinatura de um acordo global sobre redução das emissões em 2015 resultem em ações concretas e imediatas para conter o aquecimento global.

No Brasil estamos entrando na contramão. Basta dar uma olhada nas reportagens que o Globo trouxe domingo e segunda sobre como o Brasil tem subsidiado o uso do carro e dos combustíveis fósseis. O governo incentiva as emissões de gases de efeito estufa, com sua política de incentivo ao carro e à gasolina, como se não houvesse amanhã. O amanhã pode estar mais perto do que se imagina.

Matheus Leitão

Matheus Leitão é jornalista há 15 anos. Em sua carreira, passou pelas redações do Correio Braziliense, revista Época, portal iG e Folha de S.Paulo. Matheus recebeu o Prêmio Esso por duas vezes, o Troféu Barbosa Lima Sobrinho -- além de menção honrosa no Vladimir Herzog. Entre 2011 e 2012, esteve na Universidade de Berkeley, na California, como Visiting Scholar.

2 Comentários para "Relatório da ONU pede fim de combustíveis de petróleo, gás e carvão até 2100"

  • Carla Sonaria Rita 03-11-2014 (11:33 am)

    Dilma tem que assinar este tratado ou teremos uma guerra dentre ambientalistas e governo.

  • auberon pereira 06-11-2014 (2:06 pm)

    Assim como os demais países, grandes emissores de gases poluentes na atmosfera, o Brasil também precisa dar a sua contribuição e não fazer como EUA, China, por exemplo, sempre postergando tomar uma decisão que mais cedo ou mais tarde terão que tomar, a de reduzirem drasticamente a emissão de gases na atmosfera. Os sinais já são muito óbvios e se nada for feito, não terão adiantado esforço e sacrifício de alertas lançados pela ONU o tempo todo. Como bem podemos dizer, mesmo em clichê, ” o futuro já bate à porta e o presente já é de uma visão desoladora”. Precisamos ter juízo e respeito para com a humanidade, pois o progresso até pode ser ilimitado, porém, a resistência humana tem hora e data marcadas.

Comente

O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.