Fernando Henrique e Sarney duvidam de invencibilidade de Lula

02/11/2014 11h56m. Atualizado em 03/11/2014 08h48m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

O ex-presidentes da República Fernando Henrique Cardoso e José Sarney concordam em uma avaliação política: Lula, o ex-presidente petista que ameaça voltar em 2018, não é mais invencível.
Em entrevista à revista Época publicada neste sábado (1.o), FHC afirma que a “oposição não deve temer o fantasma do Lula”.
“Mesmo essa questão de o Lula ser candidato… Ele perdeu o prestígio. Onde ele indica, os nomes não ascendem”, disse, provavelmente em referência a candidatos do PT que tiveram derrotas históricas nas eleições de 2014, como Alexandre Padilha, em São Paulo e Lindbergh Farias, no Rio de Janeiro.
Na opinião de Fernando Henrique, o PT gostaria de ser no Brasil o que o PRI foi no México. PRI esteve no poder no México durante 71 anos, de 1929 até 2000.”O PT gostaria de ser hegemônico não só do ponto de vista político, mas também do ponto de vista das idéias. Ele usa o instrumental do Estado para mode­lar as imagens. Mas não consegue ser hegemônico. O PRI tinha muito mais votos que o PT. O PT sozinho não tem essa votação toda. Agora, caíram. São 70 de­putados em 513″, afirmou.
Durante as eleições, até José Sarney, aliado de Lula nos últimos anos, escreveu em seu blog pessoal que o petista parecia ter perdido a “aura da invencibilidade”.
De acordo com Sarney, com o medo da “derrota”, o PT até pensou “em fazer Lula candidato”. “Mas o ex-presidente parece também ter sido atingido pelo maremoto e ter perdido a aura da invencibilidade, embora mantenha seu carisma e ainda seja a maior liderança política do país”.
Pra FHC, o diálogo político entre governo e oposição piorou. “Quem criou esse clima todo não fomos nós. Foi o governo. Quem falou […] que o Aécio é um playboy, que os tucanos quebraram o Brasil não fo­mos nós. Foi o governo. Se tivessem usado outra lin­guagem, apontando as diferenças reais que existem, seria possível conversar. Divergências políticas são sustentáveis. Com infâmias, não é possível conversar”.

Matheus Leitão

Matheus Leitão é jornalista há 15 anos. Em sua carreira, passou pelas redações do Correio Braziliense, revista Época, portal iG e Folha de S.Paulo. Matheus recebeu o Prêmio Esso por duas vezes, o Troféu Barbosa Lima Sobrinho -- além de menção honrosa no Vladimir Herzog. Entre 2011 e 2012, esteve na Universidade de Berkeley, na California, como Visiting Scholar.

    Comente

    O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.