Dilma quer ouvir Marina e Aécio sobre reforma política e defende criminalização da homofobia

28/10/2014 21h46m. Atualizado em 29/10/2014 09h43m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

A presidente reeleita, Dilma Rousseff, disse que pretende ouvir Marina Silva (PSB) e Aécio Neves (PSDB) sobre a reforma política que quer encaminhar ao Congresso Nacional.

Dilma foi questionada sobre essa possibilidade pelo jornalista Kennedy Alencar, em entrevista ao SBT, nesta terça-feira (28), já que durante as eleições sua campanha foi truculenta contra os dois adversários. Dilma sinalizou novamente que está aberta ao dialogo.

Na entrevista, a presidente reeleita deu também abertura para a discussão de um referendo.

– Acho que não interessa muito se é referendo ou plebiscito. Pode ser uma coisa ou outra – disse.

Dilma Rousseff foi confrontada pelo repórter sobre diversos temas polêmicos. A presidente foi taxativa ao defender a criminalização da homofobia.

– Eu darei total apoio. É uma medida civilizatória – disse Dilma.

A criminalização da homofobia é o tema do projeto de lei 122, que é discutido pelo Congresso desde 2006. O PLC 122/06 está com a tramitação parada no Senado por pressão da bancada ligada às Igrejas.

A presidente reeleita disse que apoiará o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se ele for candidato.

– Eu sempre apoiarei Lula, no que ele quiser ser – ressaltou.

Sobre o projeto de regumentação da imprensa, Dilma Rousseff confirmou que pretende discutir o assunto e comparou a mídia com “qualquer outro setor econômico”. Todavia, ressaltou que vai garantir a liberdade de expressão. Dilma também defendeu a ampliação do direito de resposta.

Sobre propostas de uma nova CPI para investigar a Petrobras, Dilma Rousseff prometeu não se opor, mas afirmou que a Polícia Federal, o Ministério Público e o Supremo Tribunal Federal darão as respostas necessárias.

Matheus Leitão

Matheus Leitão é jornalista há 15 anos. Em sua carreira, passou pelas redações do Correio Braziliense, revista Época, portal iG e Folha de S.Paulo. Matheus recebeu o Prêmio Esso por duas vezes, o Troféu Barbosa Lima Sobrinho -- além de menção honrosa no Vladimir Herzog. Entre 2011 e 2012, esteve na Universidade de Berkeley, na California, como Visiting Scholar.

    Comente

    O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.