Consolidação de São Paulo como voto fiel tucano coloca Aécio e Alckmin na mesma estatura dentro do PSDB?

27/10/2014 12h48m. Atualizado em 31/10/2014 23h28m

CompartilheShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on RedditShare on VK

O candidato à presidência do PSDB, Aécio Neves, chamou a atenção ao recorrer à São Paulo em seu discurso após o resultado oficial das eleições de 2014. No caso, Aécio Neves fez referência ao apóstolo Paulo, com a frase “Combati o bom combate, cumpri a minha missão e guardei a fé”. Mas houve quem interpretasse que a citação era o reconhecimento aos votos recebidos pelo candidato no Estado de São de Paulo, o maior e mais fiel colégio eleitoral do PSDB nas eleições de 2014 e onde concentram-se cerca de 20% dos eleitores do país.
Aécio Neves sai fortalecido como o candidato tucano que chegou mais próximo de derrotar o PT em eleições presidenciais,desde que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso deixou o Planalto em 2002. O feito é ainda mais surpreendente pelo fato de Aécio ter enfrentado uma candidata à reeleição, com todos os privilégios que a máquina de um governo federal pode dar a um candidato.
É consenso entre os analistas políticos que São Paulo foi o Estado que deu condições para Aécio Neves chegar onde chegou. Foram 64,3 % de votos alçados pelo tucano no estado. Dirigentes tucanos no Estado atribuem esse desempenho de Aécio Neves ao trabalho de base construído por Geraldo Alckmin, governador reeleito no primeiro turno das eleições e com grande popularidade.
De acordo com informação do Estadão, na matéria “Mineiro agora terá ala paulista pela frente” publicada nesta segunda-feira (27), Geraldo Alckmin já é tratado por seus correligionários e aliados como pré-candidato à presidência da República.
Todavia, o maior feito de Aécio, a de por nas ruas uma militância tucana que nunca foi de manifestações, deveria ser o centro do debate do partido neste momento. Se o PSDB se preocupar mais em consolidar essa militância — e o conjunto de valores tucanos que Aécio conseguiu resgatar em sua campanha –, terá mais chances no futuro.
O prestígio de Aécio e de Alckmin dentro do partido será colocado à prova em maio de 2015, quando o PSDB elegerá sua nova direção executiva.

 

 

 

 

Matheus Leitão

Matheus Leitão é jornalista há 15 anos. Em sua carreira, passou pelas redações do Correio Braziliense, revista Época, portal iG e Folha de S.Paulo. Matheus recebeu o Prêmio Esso por duas vezes, o Troféu Barbosa Lima Sobrinho -- além de menção honrosa no Vladimir Herzog. Entre 2011 e 2012, esteve na Universidade de Berkeley, na California, como Visiting Scholar.

    Comente

    O autor do blog não se responsabiliza pelo comentário.